Gostou do artigo? Compartilhe!

Câncer pode aumentar as chances de desenvolver a síndrome de Guillain-Barré

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas com certos tipos de câncer1 podem ter um risco aumentado de desenvolver a síndrome2 de Guillain-Barré (SGB), de acordo com um estudo populacional dinamarquês.

Ao longo de um período de 30 anos, 2% dos indivíduos com SGB também tiveram um diagnóstico3 recente de câncer1, em comparação com 0,6% daqueles em um grupo de controle pareado, relataram Lotte Sahin Levison, MD, PhD, do Hospital Universitário de Aarhus, na Dinamarca, e colegas, no estudo publicado na revista Neurology.

A associação foi impulsionada em grande parte por aqueles com malignidades hematológicas, cânceres do trato respiratório, cânceres de próstata4 e de outros órgãos genitais masculinos5 e câncer1 de mama6.

“Embora nosso estudo sugira que as pessoas com câncer1 têm um risco maior de desenvolver a síndrome2 de Guillain-Barré, é importante que as pessoas com câncer1 saibam que o risco geral de desenvolver Guillain-Barré ainda é muito pequeno”, disse Levison em um comunicado à imprensa.

Leia sobre "Como é a Síndrome2 de Guillain-Barré" e "Câncer1 - informações importantes".

A SGB é uma polineuropatia desmielinizante7 adquirida que muitas vezes começa nas extremidades inferiores e ascende ao longo do tempo com perda de reflexos, causando fraqueza muscular ou, nos casos mais graves, paralisia8. Alguns casos começam alguns dias ou semanas após uma infecção9 viral respiratória ou gastrointestinal. Muitas vezes, a SGB é reversível.

Levison e colegas observaram que, embora a maioria dos casos se desenvolva após uma infecção9, muitos não, indicando que outros fatores de risco importantes desempenham um papel desencadeante.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que o câncer1 pode aumentar o risco de desenvolver síndrome2 de Guillain-Barré (SGB) devido ao mimetismo molecular ou imunossupressão10, mas a relação exata não é clara. O objetivo, portanto, foi determinar a associação entre câncer1 incidente11 e o risco subsequente de desenvolvimento de SGB.

Foi realizado um estudo de caso-controle de base populacional nacional de todos os pacientes com SGB diagnosticada pela primeira vez em hospital na Dinamarca entre 1987 e 2016 e 10 controles populacionais pareados por idade, sexo e data de índice por caso.

Foram identificados diagnósticos de câncer1 incidente11 entre seis meses antes e dois meses após a data de índice da SGB. Usou-se regressão logística condicional para calcular odds ratios (ORs) como medida de risco relativo e realizou-se análises estratificadas para avaliar o impacto do câncer1 no risco de SGB em estratos de períodos-calendário, sexo e idade.

Nas análises de sensibilidade, para avaliar qualquer risco potencial de viés de sobrevivência12 induzido pela inclusão de diagnósticos de câncer1 potencialmente feitos após o diagnóstico3 de SGB, examinou-se os cânceres incidentes13 em uma janela de exposição mais ampla (um ano antes a três meses após a data de índice da SGB) e uma janela mais estreita (seis meses a um mês antes da data de índice da SGB).

Dos 2.414 pacientes com SGB e 23.909 controles incluídos, 49 casos (2,0%) e 138 controles (0,6%) tiveram diagnóstico3 recente de câncer1, respectivamente, resultando em uma razão de chances (OR) de 3,6 (intervalo de confiança [IC] de 95%, 2,6-5,1) para SGB associada ao câncer1.

A estratificação por tempo do calendário, sexo e idade mostrou resultados robustos para a associação entre câncer1 e SGB, sem grandes variações.

Ampliar e estreitar a janela de exposição produziu associações ligeiramente enfraquecidas de OR, 2,4 (IC 95%, 1,8-3,3) e OR, 2,5 (IC 95%, 1,5-4,1), respectivamente.

Os ORs da SGB foram maiores para cânceres do tecido14 linfático15 e hematopoiético (OR, 7,2; IC 95%, 2,9-18,0), do trato respiratório (OR, 5,6; IC 95%, 2,7-11,9), de próstata4 e outros órgãos genitais masculinos5 (OR, 5,0; IC 95%, 2,1-11,6) e câncer1 de mama6 (OR, 5,0; IC 95%, 1,7-14,5).

Neste grande estudo epidemiológico nacional realizado na Dinamarca, o câncer1 incidente11 foi associado a um risco marcadamente aumentado de desenvolvimento subsequente de Síndrome2 de Guillain-Barré. Os resultados sugerem que fatores ainda não identificados presentes em vários tipos de câncer1 impulsionam essa associação.

Saiba mais sobre "Doenças desmielinizantes16" e "Doenças neuromusculares".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 02 de março de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 03 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Câncer pode aumentar as chances de desenvolver a síndrome de Guillain-Barré. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1413065/cancer-pode-aumentar-as-chances-de-desenvolver-a-sindrome-de-guillain-barre.htm>. Acesso em: 10 dez. 2022.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
5 Genitais Masculinos: Órgãos reprodutores masculinos. São divididos em órgãos externos (PÊNIS, ESCROTO e URETRA) e órgãos internos (TESTÍCULO, EPIDÍDIMO, VASO DEFERENTE, VESÍCULAS SEMINAIS, DUCTOS EJACULATÓRIOS, PRÓSTATA e GLÂNDULAS BULBOURETRAIS).
6 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
7 Desmielinizante: Que remove ou destrói a bainha de mielina de nervo ou trato nervoso.
8 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
11 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
12 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
13 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
14 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
15 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
16 Desmielinizantes: Que remove ou destrói a bainha de mielina de nervo ou trato nervoso.
Gostou do artigo? Compartilhe!