Gostou do artigo? Compartilhe!

Resistência a antibióticos matou mais pessoas do que malária ou AIDS em 2019

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cerca de 1,3 milhão de mortes foram causadas diretamente por infecções1 bacterianas resistentes a antibióticos em todo o mundo em 2019, centenas de milhares a mais do que malária ou AIDS, de acordo com uma nova estimativa, publicada no The Lancet.

As bactérias resistentes aos antibióticos são consideradas uma das maiores ameaças da medicina moderna. O uso excessivo de tais medicamentos levou a uma maior disseminação da resistência, aumentando a perspectiva de que infecções1 comuns, como sepse2 e pneumonia3, se tornarão mais difíceis de tratar.

Mohsen Naghavi, da Universidade de Washington em Seattle, e seus colegas criaram um modelo para estimar quantas pessoas morreram em 2019 de infecções1 bacterianas que poderiam ter sido tratadas anteriormente se não fosse a resistência antimicrobiana (RAM). Nenhuma pesquisa global desse tipo foi realizada antes.

O modelo foi baseado nos registros médicos de 471 milhões de pessoas com infecções1 resistentes a antibióticos de 204 países. A equipe vasculhou estudos publicados e registros médicos para obter um conjunto de dados o mais abrangente possível sobre RAM. “Para países que tinham muito poucos dados, calculamos os números com base em um padrão regional que desenvolvemos”, diz Naghavi.

Os pesquisadores descobriram que cerca de 1,3 milhão de mortes podem ser atribuídas diretamente à RAM em todo o mundo. Eles também descobriram que mais de 3,65 milhões de mortes envolveram pessoas que tinham doenças que apresentavam alguma forma de RAM. “Não podemos dizer com certeza que essas mortes foram devido à resistência antimicrobiana, mas algumas podem ter sido”, diz Naghavi.

Se ambos os grupos forem incluídos, isso tornaria a RAM a terceira principal causa de morte em todo o mundo em 2019, atrás de ataques cardíacos isquêmicos e derrames. Mesmo a estimativa mais conservadora significaria que a RAM matou mais pessoas naquele ano do que a AIDS, responsável por 680.000 mortes, e a malária, que matou 627.000 pessoas.

“A dura realidade desses números aponta para a necessidade crítica e urgente de aumentar os recursos para o básico do controle de infecções1. Em muitos lugares, isso significa água, saneamento, higiene”, diz Clare Chandler, da London School of Hygiene & Tropical Medicine.

Leia sobre "Usos e abusos dos antibióticos" e "A resistência aos antibióticos e as superbactérias".

Mais de 70 por cento das mortes ligadas à RAM no estudo foram devido à resistência aos antibióticos beta-lactâmicos, como a penicilina. “Não ficamos surpresos com isso porque sabemos o quanto esses medicamentos são prescritos nas clínicas”, diz Naghavi.

A chave para combater a resistência antimicrobiana é multifacetada, diz Naghavi. “Os países desenvolvidos precisam prescrever menos antibióticos e desenvolver mais vacinas para doenças infecciosas”, diz ele. Dar menos antibióticos ao gado, garantir uma melhor higiene nos hospitais e melhorar a vigilância da resistência antimicrobiana também é importante, acrescenta.

Na análise sistemática publicada, os pesquisadores contextualizam como a resistência antimicrobiana (RAM) representa uma grande ameaça à saúde4 humana em todo o mundo. Publicações anteriores estimaram o efeito da RAM na incidência5, mortes, tempo de internação hospitalar e custos de saúde4 para combinações específicas de patógenos-drogas em locais selecionados. Até onde se sabe, o novo estudo apresenta as estimativas mais abrangentes do fardo da RAM até o momento.

Estimou-se mortes e anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs) atribuíveis e associados à RAM bacteriana para 23 patógenos e 88 combinações patógeno-droga em 204 países e territórios em 2019.

Foram obtidos dados de revisões sistemáticas da literatura, sistemas hospitalares, sistemas de vigilância e outras fontes, abrangendo 471 milhões de registros individuais ou isolados e 7.585 anos-local de estudo. Usou-se modelagem estatística preditiva para produzir estimativas do fardo de RAM para todos os locais, inclusive para locais sem dados.

A abordagem pode ser dividida em cinco componentes amplos: número de mortes em que a infecção6 desempenhou um papel, proporção de mortes infecciosas atribuíveis a uma determinada síndrome7 infecciosa, proporção de mortes por síndrome7 infecciosa atribuíveis a um determinado patógeno, a porcentagem de um determinado patógeno resistente a um antibiótico de interesse e o risco excessivo de morte ou duração de uma infecção6 associado a essa resistência.

Usando esses componentes, estimou-se o fardo de doenças com base em dois contrafactuais: mortes atribuíveis à RAM (com base em um cenário alternativo em que todas as infecções1 resistentes a medicamentos foram substituídas por infecções1 sensíveis a medicamentos) e mortes associadas à RAM (com base em um cenário alternativo em que todas as infecções1 resistentes aos medicamentos foram substituídas por nenhuma infecção6).

Foram gerados intervalos de incerteza (UIs) de 95% para estimativas finais como os 25º e 975º valores ordenados em 1.000 sorteios posteriores, e os modelos foram validados de forma cruzada para validade preditiva fora da amostra. Foram apresentadas estimativas finais agregadas ao nível global e regional.

Com base nos modelos estatísticos preditivos, houve uma estimativa de 4,95 milhões (3,62–6,57) de mortes associadas à RAM bacteriana em 2019, incluindo 1,27 milhão (UI 95% 0,911–1,71) de mortes atribuíveis à RAM bacteriana.

No nível regional, estima-se que a taxa de mortalidade8 em todas as idades atribuível à resistência seja mais alta na África subsaariana ocidental, em 27,3 mortes por 100.000 (20,9–35,3), e mais baixa na Australásia, em 6,5 mortes (4,3–9,4) por 100 000.

As infecções1 respiratórias inferiores foram responsáveis por mais de 1,5 milhão de mortes associadas à resistência em 2019, fazendo delas a síndrome7 infecciosa mais onerosa.

Os seis principais patógenos para mortes associadas à resistência (Escherichia coli, seguido por Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Streptococcus pneumoniae, Acinetobacter baumannii e Pseudomonas aeruginosa) foram responsáveis por 929.000 (660.000–1.270.000) mortes atribuíveis à RAM e 3,57 milhões (2.62–4.78) de mortes associadas à RAM em 2019.

Uma combinação de patógeno-droga, S aureus resistente à meticilina, causou mais de 100.000 mortes atribuíveis à RAM em 2019, enquanto mais seis combinações, cada uma causou de 50.000–100.000 mortes: tuberculose9 resistente a múltiplos medicamentos excluindo tuberculose9 extensivamente resistente a medicamentos; E coli resistente à cefalosporina de terceira geração; A baumannii resistente à carbapenema; E coli resistente a fluoroquinolonas; K pneumoniae resistente à carbapenema; e K pneumoniae resistente à cefalosporina de terceira geração.

Até onde se sabe, este estudo fornece a primeira avaliação abrangente do fardo global de resistência antimicrobiana, bem como uma avaliação da disponibilidade de dados. A resistência antimicrobiana é uma das principais causas de morte em todo o mundo, com os maiores fardos em locais de poucos recursos.

Compreender o ônus da resistência antimicrobiana e as principais combinações patógeno-droga que contribuem para isso é crucial para tomar decisões políticas informadas e específicas do local, particularmente sobre programas de prevenção e controle de infecções1, acesso a antibióticos essenciais e pesquisa e desenvolvimento de novas vacinas e antibióticos.

Existem sérias lacunas de dados em muitos ambientes de baixa renda, enfatizando a necessidade de expandir a capacidade dos laboratórios de microbiologia e dos sistemas de coleta de dados para melhorar nossa compreensão dessa importante ameaça à saúde4 humana.

Veja também sobre "O que são bactérias", "Doenças respiratórias" e "Infecção6 hospitalar".

 

Fontes:
The Lancet, publicação em 19 de janeiro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 20 de janeiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Resistência a antibióticos matou mais pessoas do que malária ou AIDS em 2019. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1409110/resistencia-a-antibioticos-matou-mais-pessoas-do-que-malaria-ou-aids-em-2019.htm>. Acesso em: 4 out. 2022.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
3 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
Gostou do artigo? Compartilhe!