Gostou do artigo? Compartilhe!

Produto químico da semente da uva permitiu que ratos vivessem mais, matando as células envelhecidas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um produto químico isolado do extrato de semente de uva prolonga a expectativa de vida1 de ratos velhos em 9 por cento ao limpar suas células2 velhas e gastas. O tratamento também parece deixar os ratos em boa forma física e reduzir o tamanho dos tumores quando usado junto com a quimioterapia3 para tratar o câncer4, segundo estudo publicado na revista Nature Metabolism.

A descoberta fortalece o caso para futuras terapias anti-envelhecimento que tenham como alvo as células2 senescentes5células2 envelhecidas que perdem a capacidade de se replicar e, em vez disso, produzem substâncias que causam inflamação6.

As células2 senescentes5 aumentam em número à medida que envelhecemos e foram associadas a várias condições relacionadas com a idade, incluindo doenças cardiovasculares7, diabetes tipo 28 e osteoporose9.

Para encontrar uma substância que pode destruir essas células2, Qixia Xu, da Universidade da Academia Chinesa de Ciências em Xangai, e colegas examinaram uma biblioteca de substâncias químicas ligadas ao envelhecimento quanto aos seus efeitos contra células2 senescentes5. A pesquisa da equipe encontrou um produto químico encontrado em sementes de uva, chamado procianidina C1 (PCC1).

Em baixas concentrações, a PCC1 parecia impedir que as células2 senescentes5 em um prato produzissem substâncias inflamatórias. Em altas concentrações, o produto químico matou as células2, deixando as células2 mais jovens intactas.

Saiba mais sobre "Longevidade - o que é", "O processo de envelhecimento" e "O envelhecimento saudável".

Para testar sua eficácia em animais vivos, a equipe injetou 171 camundongos com 2 anos – o equivalente a cerca de 70 anos em humanos – com PCC1 ou uma solução de controle duas vezes por semana pelo resto da vida dos animais. Em média, a PCC1 aumentou a vida útil dos ratos em 9%.

O produto químico também parece melhorar a aptidão física de ratos mais jovens. Animais com idade inferior a 2 anos foram injetados com uma solução de controle ou PCC1 a cada duas semanas durante quatro meses, após os quais foram submetidos a uma série de testes físicos. Os ratos que receberam o tratamento tiveram uma velocidade máxima de caminhada significativamente mais rápida, maior força de preensão e melhor resistência ao correr em uma esteira, em comparação com os ratos que receberam a solução de controle.

A quimioterapia3 é conhecida por acelerar o envelhecimento das células2 dentro dos tumores. Para descobrir se a PCC1 poderia matar essas células2 tumorais envelhecidas, aumentando o impacto da quimioterapia3, a equipe testou a substância química junto com a mitoxantrona, uma droga usada para tratar câncer4 de mama10, linfoma11 não-Hodgkin e leucemia12 mieloblástica aguda, entre outros tipos de câncer4.

A equipe testou esta combinação de tratamento em camundongos implantados com células2 de tumores de próstata13 humanos. O tratamento de camundongos com PCC1 e mitoxantrona reduziu os tumores em cerca de 75 por cento, enquanto a quimioterapia3 por si só os reduziu em 44 por cento, em média.

O fato de que o produto químico não parece afetar as células2 saudáveis ​​sugere que ele pode ser “um tratamento terapêutico anti-envelhecimento promissor”, diz Dorian Ziegler, da Universidade de Lausanne, na Suíça. Pesquisas futuras precisarão investigar se a PCC1 tem efeitos semelhantes nas pessoas, acrescenta.

No artigo publicado os pesquisadores descrevem como o flavonoide procianidina C1 tem atividade senoterapêutica e aumenta o tempo de vida em camundongos.

O declínio funcional dos órgãos associado ao envelhecimento e o aumento do risco de patologias crônicas relacionadas à idade são impulsionados em parte pelo acúmulo de células2 senescentes5, que desenvolvem o fenótipo14 secretor associado à senescência (FSAS). No estudo, mostrou-se que a procianidina C1 (PCC1), um componente polifenólico do extrato de semente de uva (ESU), aumenta a expectativa de vida1 geral e a expectativa de vida1 saudável de camundongos por meio de sua ação nas células2 senescentes5.

Ao pesquisar uma biblioteca de produtos naturais, descobriu-se que o ESU e a PCC1 como um de seus componentes ativos têm efeitos específicos nas células2 senescentes5. Em baixas concentrações, a PCC1 parece inibir a formação de FSAS, enquanto mata seletivamente as células2 senescentes5 em concentrações mais altas, possivelmente por promover a produção de espécies reativas de oxigênio e disfunção mitocondrial.

Em modelos de roedores, a PCC1 esgota as células2 senescentes5 em um microambiente tumoral danificado por tratamento e aumenta a eficácia terapêutica15 quando coadministrada com quimioterapia3.

A administração intermitente16 de PCC1 a ratos irradiados, implantados com células2 senescentes5 ou envelhecidos naturalmente alivia a disfunção física e prolonga a sobrevivência17.

Identificou-se a procianidina C1, portanto, como um agente senoterapêutico natural com atividade in vivo e alto potencial para desenvolvimento posterior como uma intervenção clínica para retardar, aliviar ou prevenir patologias relacionadas à idade.

Leia sobre "As frutas que você mais come", "Envelhecimento precoce" e "Câncer4 - informações importantes".

 

Fontes:
Nature Metabolism, publicação em 06 de dezembro de 2021.
New Scientist, notícia publicada em 06 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Produto químico da semente da uva permitiu que ratos vivessem mais, matando as células envelhecidas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407210/produto-quimico-da-semente-da-uva-permitiu-que-ratos-vivessem-mais-matando-as-celulas-envelhecidas.htm>. Acesso em: 27 jun. 2022.

Complementos

1 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Senescentes: Que está em processo de envelhecimento.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
8 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
9 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
10 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
11 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
12 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
13 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
14 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
15 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
16 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
17 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!