Gostou do artigo? Compartilhe!

Descoberta nova estratégia para tratamento do câncer de mama triplo-negativo através da modulação e indução de resposta imune mais eficiente

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisa realizada com células1 de camundongos aponta um caminho promissor para novas linhas de estudo com foco no tratamento do câncer2 de mama3 triplo-negativo, um tumor4 agressivo e com alta probabilidade de metástase5.

Um grupo de pesquisadores liderados pelos brasileiros Renata Pasqualini e Wadih Arap identificou um pequeno conjunto de aminoácidos (um peptídeo com a sequência CSSTRESAC) capaz de se ligar a um receptor alternativo para a vitamina6 D. Chamado de PDIA3, esse receptor é encontrado na membrana de macrófagos7 (importantes células1 de defesa do organismo) que se infiltram nos tumores de mama3 triplo-negativo e causam imunossupressão8.

De acordo com a pesquisa, a administração sistêmica de CSSTRESAC levou à elevada expressão de citocinas9 antitumorais e à modulação da resposta celular. Em conjunto, esses dois fatores ativaram a resposta imune e reduziram o crescimento dos tumores nos camundongos. O resultado do trabalho foi publicado na revista científica eLife.

Leia sobre "Câncer2 de mama3 triplo negativo" e "Recomendações para tratamento do câncer2 de mama3".

“Nossa estratégia é diferente e certamente complementa as abordagens mais convencionais. Em vez de tratarmos diretamente as células1 tumorais, usamos CSSTRESAC para modular e induzir uma resposta imune mais eficiente. Essa estratégia, se combinada à cirurgia, quimioterapia10 e radioterapia11, pode oferecer uma alternativa mais robusta para o tratamento de tumores de mama3 triplo-negativo, que normalmente são muito agressivos e de difícil controle clínico local e sistêmico”, afirma Pasqualini, em entrevista à Agência FAPESP.

A pesquisadora lembra que as conclusões ainda são baseadas em modelos experimentais em camundongos, mas afirma que os dados são animadores. “Ainda há um caminho a percorrer até chegar aos ensaios clínicos12 de fase 1 em pacientes humanos. No entanto, os resultados publicados são promissores, justificando o avanço dessa linha de pesquisa visando ao desenvolvimento de estudos de tradução clínica na próxima fase.”

No artigo os pesquisadores abordam como o câncer2 de mama3 triplo-negativo (CMTN) é um tumor4 agressivo com opções de tratamento limitadas e prognóstico13 desfavorável.

No estudo, os pesquisadores aplicaram a tecnologia de exibição de fago in vivo para isolar peptídeos que se dirigem ao microambiente celular imunossupressor14 do CMTN como uma estratégia para a descoberta de alvos não malignos.

Foi identificado um peptídeo cíclico (CSSTRESAC) que se liga especificamente a um receptor de vitamina6 D, proteína dissulfeto-isomerase A3 (PDIA3) expressa na superfície celular de macrófagos7 associados ao tumor4 (MAT) e tem como alvo o câncer2 de mama3 no CMTN singênico, xenoenxerto não CMTN e modelos de camundongos transgênicos.

A administração sistêmica de CSSTRESAC a camundongos com CMTN mudou o perfil de citocinas9 em direção a uma resposta imune antitumoral e retardou o crescimento do tumor4. Além disso, o CSSTRESAC permitiu a entrega teranóstica direcionada ao ligante para tumores e um modelo matemático confirmou esses achados experimentais.

Teranóstico é um novo conceito que vem sendo usado na medicina nuclear para tratamento de câncer2 e transforma, simultaneamente, em ferramenta para diagnóstico15 e para tratamento os radiofármacos usados diretamente em tumores.

Finalmente, a análise in silico mostrou MAT expressando a PDIA3 em pacientes com CMTN.

Este trabalho revela uma interação funcional entre um receptor de vitamina6 D da superfície celular em macrófagos7 associados ao tumor4 e a resposta imune antitumoral que poderia ser explorada terapeuticamente.

Veja também sobre "Câncer2 de mama3 - o que é" e "Câncer2 de mama3 - como se preparar para uma consulta médica".

 

Fontes:
eLife, publicação em 01 de junho de 2021.
Agência FAPESP, notícia publicada em 08 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Descoberta nova estratégia para tratamento do câncer de mama triplo-negativo através da modulação e indução de resposta imune mais eficiente. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407100/descoberta-nova-estrategia-para-tratamento-do-cancer-de-mama-triplo-negativo-atraves-da-modulacao-e-inducao-de-resposta-imune-mais-eficiente.htm>. Acesso em: 27 jan. 2022.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
5 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
6 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
7 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
8 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
9 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
10 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
11 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
12 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
13 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
14 Imunossupressor: Medicamento que suprime a resposta imune natural do organismo. Os imunossupressores são dados aos pacientes transplantados para evitar a rejeição de órgãos ou para pacientes com doenças autoimunes.
15 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!