Gostou do artigo? Compartilhe!

O tratamento da insônia pode ser benéfico na prevenção da depressão em idosos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento da insônia previne a depressão em adultos de 60 anos ou mais sem depressão, mas com insônia?

Os idosos com insônia têm um alto risco de depressão incidente1 e recorrente. A prevenção da depressão é urgentemente necessária e tais esforços foram negligenciados para os idosos.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi examinar se o tratamento do transtorno de insônia com terapia cognitivo2-comportamental para insônia (TCC-I) em comparação com uma condição comparadora ativa, terapia de educação do sono (TES), previne o transtorno depressivo maior em idosos.

Este ensaio clínico randomizado3, cego para avaliador, de grupo paralelo e local único avaliou uma amostra baseada na comunidade de 431 pessoas e inscreveu 291 adultos de 60 anos ou mais com distúrbio de insônia que não tiveram depressão ou eventos de saúde4 importantes no ano anterior.

O recrutamento do estudo foi realizado de 1º de julho de 2012 a 30 de abril de 2015. O protocolo do estudo foi modificado para estender o acompanhamento de 24 para 36 meses, com a conclusão do acompanhamento em julho de 2018. A análise de dados foi realizada de 1º de março de 2019 a 30 de março de 2020.

Leia sobre "Distúrbios do sono em idosos", "Insônia", "Higiene do sono - como deve ser feita" e "Depressão maior".

Os participantes foram randomizados para 2 meses de TCC-I (n = 156) ou TES (n = 135).

O desfecho primário foi o tempo para a ocorrência de transtorno depressivo maior, conforme diagnosticado por entrevista e critérios do Manual Diagnóstico5 e Estatístico de Transtornos Mentais (Quinta Edição). O desfecho secundário foi a remissão sustentada do distúrbio de insônia antes do evento de depressão ou duração do acompanhamento.

Entre 291 participantes randomizados (idade média [DP], 70,1 [6,7] anos; 168 [57,7%] mulheres; 7 [2,4%] asiáticos, 32 [11,0%] negros, 3 [1,0%] das Ilhas do Pacífico, 241 [82,8% ] brancos, 6 [2,1%] multirraciais e 2 [0,7%] desconhecidos), 156 foram randomizados para TCC-I e 135 para TES.

Um total de 140 participantes (89,7%) completaram a TCC-I e 130 participantes (96,3%) completaram a TES (χ2 = 4,9, P = 0,03), com 114 (73,1%) completando 24 meses de acompanhamento no grupo de TCC-I e 117 (86,7%) no grupo de TES (χ2 = 8,4, P = 0,004).

Após a modificação do protocolo, 92 (59,0%) dos participantes da TCC-I e 86 (63,7%) dos participantes da TES concordaram em prolongar o acompanhamento (χ2 = 0,7, P = 0,41), com 81 (51,9%) dos participantes do grupo de TCC-I e 77 (57,0%) do grupo de TES completando 36 meses de acompanhamento (χ2 = 0,8; P = 0,39).

Depressão maior incidente1 ou recorrente ocorreu em 19 participantes (12,2%) no grupo de TCC-I e em 35 participantes (25,9%) no grupo de TES, com um benefício geral (razão de risco, 0,51; IC 95%, 0,29-0,88; P = 0,02) consistente entre os subgrupos.

A remissão do transtorno de insônia continuamente sustentada antes do evento de depressão ou durante o acompanhamento foi mais provável em participantes da TCC-I (41 [26,3%]) em comparação com os participantes da TES (26 [19,3%], P = 0,03).

Aqueles no grupo de TCC-I com remissão sustentada do transtorno de insônia tiveram uma probabilidade de depressão reduzida em 82,6% (razão de risco, 0,17; IC 95%, 0,04-0,73; P = 0,02) em comparação com aqueles no grupo de TES sem remissão sustentada de distúrbio de insônia.

Os resultados deste ensaio clínico randomizado3 indicam que o tratamento da insônia com terapia cognitivo2-comportamental para insônia tem um benefício geral na prevenção de depressão maior incidente1 e recorrente em idosos com transtorno de insônia. A remissão sustentada da insônia em adultos submetidos à TCC-I resultou em uma diminuição da probabilidade de depressão em comparação com a ausência de remissão da insônia em adultos que receberam terapia de educação do sono.

A triagem em nível comunitário para problemas de insônia em idosos e a ampla distribuição de tratamento para insônia com base em terapia cognitivo2-comportamental para insônia poderiam avançar substancialmente os esforços de saúde4 pública para tratar a insônia e prevenir a depressão nesta população idosa vulnerável.

Veja também sobre "Principais síndromes geriátricas", "Depressões" e "Terapia cognitivo2 comportamental".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 24 de novembro de 2021. (doi:10.1001/jamapsychiatry.2021.3422)

 

NEWS.MED.BR, 2021. O tratamento da insônia pode ser benéfico na prevenção da depressão em idosos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1406420/o-tratamento-da-insonia-pode-ser-benefico-na-prevencao-da-depressao-em-idosos.htm>. Acesso em: 27 jan. 2022.

Complementos

1 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!