Gostou do artigo? Compartilhe!

Ingestão precoce de aminoácidos entre bebês muito prematuros é segura e está associada a melhor pontuação de QI aos 5 anos de idade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um comitê internacional de especialistas revisou recentemente suas recomendações sobre a ingestão de aminoácidos para bebês1 muito prematuros, sugerindo que mais de 3,50 g/kg/dia deve ser administrado apenas a bebês1 prematuros em ensaios clínicos2. No entanto, a ingestão ideal de aminoácidos durante a primeira semana após o nascimento nesses bebês1 é desconhecida.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi avaliar a associação entre a ingestão precoce de aminoácidos e os resultados cognitivos3 aos 5 anos de idade.

Usando a coorte4 EPIPAGE-2 (Estudo Epidemiológico em Crianças Pequenas para Idade Gestacional - Acompanhamento aos Cinco Anos e Meio), um estudo de coorte5 prospectivo6 nacional de base populacional conduzido em 63 unidades de terapia intensiva7 neonatal na França, uma análise pareada por escore de propensão foi realizada comparando bebês1 nascidos com menos de 30 semanas de gestação que tiveram alta ingestão de aminoácidos (3,51-4,50 g/kg/d) 7 dias após o nascimento com bebês1 que não o fizeram.

Os participantes foram recrutados entre 1º de abril e 31 de dezembro de 2011 e acompanhados de 1º de setembro de 2016 a 31 de dezembro de 2017.

O QI8 de escala completa (QIEC) foi avaliado aos 5 anos de idade. Uma análise confirmatória usou a preferência da unidade de terapia intensiva7 neonatal pela alta ingestão inicial de aminoácidos como uma variável instrumental para explicar a confusão não medida. A análise estatística foi realizada de 15 de janeiro a 15 de maio de 2021.

Leia sobre "Entendendo a prematuridade e os cuidados necessários com os prematuros", "Macronutrientes9 - quais são eles" e "Papel das proteínas10 no organismo".

A exposição do estudo foi a ingestão de aminoácidos 7 dias após o nascimento.

O desfecho primário foi uma pontuação de QIEC maior que -1 DP (ou seja, ≥93 pontos) aos 5 anos de idade. Uma análise complementar foi realizada para explorar a associação entre a ingestão de aminoácidos no dia 7 como uma variável contínua e a pontuação de QIEC na idade de 5 anos.

Os dados de ressonância magnética11 cerebral a termo estavam disponíveis para um subgrupo de bebês1 prematuros que participaram do estudo auxiliar EPIRMEX (Anormalidades Cerebrais Detectadas por Ressonância Magnética11, Realizada na Idade do Termo e Surgimento de Funções Executivas).

Entre 1.789 bebês1 prematuros (929 meninos [51,9%]; idade gestacional média [DP], 27,17 [1,50] semanas) com dados disponíveis para determinar a exposição à ingestão de aminoácidos de 3,51 a 4,50 g/kg/d 7 dias após o nascimento, 938 bebês1 foram expostos e 851 bebês1 não; 717 bebês1 de cada grupo puderam ser pareados.

O desfecho primário foi conhecido em 396 de 646 bebês1 expostos e 379 de 644 bebês1 não expostos que estavam vivos aos 5 anos de idade e foi observado com mais frequência entre bebês1 expostos vs não expostos (243 bebês1 [61,4%] vs 206 bebês1 [54,4%], respectivamente; odds ratio [OR], 1,33 [IC 95%, 1,00-1,71]; aumento de risco absoluto em eventos [ou seja, a probabilidade de ter uma pontuação de QIEC >-1 DP aos 5 anos de idade] por 100 bebês1, 7,01 [IC 95%, 0,06-13,87]; P = 0,048).

Na coorte4 pareada, foi encontrada correlação entre a ingestão de aminoácidos por 1,00 g/kg/d no dia 7 e a pontuação de QIEC aos 5 anos de idade (n = 775; β = 2,43 por aumento de 1 ponto no QIEC; IC 95%, 0,27-4,59; P = 0,03), área de substância branca (n = 134; β = 144 por mm²; IC 95%, 3-285 por mm²; P = 0,045), anisotropia do corpo caloso12 (n = 50; β = 0,018; IC 95%, 0,016-0,021; P <0,001), fascículo longitudinal superior esquerdo (n = 42; β = 0,018; IC 95%, 0,010-0,025; P <0,001) e fascículo longitudinal superior direito (n = 42; β = 0,014; IC 95%, 0,005-0,024; P = 0,003) com base na ressonância magnética11 a termo.

Análises confirmatórias e de sensibilidade confirmaram esses resultados. Por exemplo, a OR ajustada para a associação entre a exposição e o desfecho primário foi de 1,30 (IC 95%, 1,16-1,46) usando a abordagem de variável instrumental entre 978 participantes na coorte4 geral, e a OR ajustada foi de 1,35 (IC 95% , 1,05-1,75) usando múltiplas imputações entre 1.290 participantes na coorte4 pareada.

Neste estudo de coorte5, a alta ingestão de aminoácidos 7 dias após o nascimento foi associada a uma maior probabilidade de uma pontuação de QI8 de escala completa maior que -1 DP aos 5 anos de idade. Estudos randomizados bem desenhados com acompanhamento de longo prazo são necessários para confirmar o benefício desta abordagem nutricional.

Assim, os resultados deste estudo sugerem que a alta ingestão precoce de aminoácidos entre bebês1 muito prematuros é segura e significativamente associada a melhores resultados cognitivos3 aos 5 anos de idade.

Veja também sobre "Deficiência intelectual", "Retardo mental" e "Desenvolvimento infantil".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 30 de novembro de 2021. (doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.35452)

 

NEWS.MED.BR, 2021. Ingestão precoce de aminoácidos entre bebês muito prematuros é segura e está associada a melhor pontuação de QI aos 5 anos de idade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1406360/ingestao-precoce-de-aminoacidos-entre-bebes-muito-prematuros-e-segura-e-esta-associada-a-melhor-pontuacao-de-qi-aos-5-anos-de-idade.htm>. Acesso em: 14 ago. 2022.

Complementos

1 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
8 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
9 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
12 Corpo Caloso: Placa larga composta de fibras densamente mielinizadas que interconectam reciprocamente regiões do córtex de todos os lobos com as regiões correspondentes do hemisfério oposto. O corpo caloso está localizado profundamente na fissura longitudinal.
Gostou do artigo? Compartilhe!