Gostou do artigo? Compartilhe!

Gestações mais curtas significam maior risco de hipertensão para as mulheres ao longo da vida

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um grande estudo de base populacional mostrou que o parto prematuro traz um risco vitalício de hipertensão1.

Entre mais de 2 milhões de mulheres na Suécia, o parto antes de 37 semanas de gestação foi independentemente associado a um risco aumentado de 1,67 vezes de desenvolver hipertensão1 nos 10 anos seguintes, relatou Casey Crump, MD, PhD, da Icahn School of Medicine at Mount Sinai, na cidade de Nova York, e colegas, em artigo publicado no JAMA Cardiology.

O risco foi maior para os partos mais prematuros, mas as taxas de risco ajustadas foram significativas para todas as categorias em comparação com uma gestação de 39 a 41 semanas completas:

  • 2,23 (IC 95% 1,98-2,52) para parto prematuro extremo entre 22 a 27 semanas
  • 1,85 (IC 95% 1,74-1,97) para parto prematuro moderado entre 28 a 33 semanas
  • 1,55 (IC 95% 1,48-1,63) para parto prematuro tardio entre 34 a 36 semanas
  • 1,26 (IC 95% 1,22-1,30) para parto a termo precoce entre 37 a 38 semanas

O risco persistiu por 43 anos de acompanhamento, embora a magnitude tenha caído de uma razão de risco de 1,40 em 10 a 19 anos após qualquer parto prematuro para 1,20 em 20 a 29 anos, e então para 1,12 em 30 a 43 anos (todos significativos).

Estudos também vincularam partos prematuros – que afetam quase 11% de todos os nascimentos em todo o mundo – aos riscos de longo prazo de derrame2, doença cardíaca isquêmica e mortalidade3 por todas as causas e por doenças cardiovasculares4 (DCV), observaram Crump e colegas.

Leia sobre "O que é parto prematuro", "Parto a termo" e "Sinais5 de doenças cardíacas em mulheres".

“Essas descobertas têm implicações clínicas importantes”, escreveram eles. “A avaliação de risco cardiovascular em mulheres deve incluir rotineiramente um histórico reprodutivo que cubra o parto prematuro e outros resultados adversos da gravidez6. Esse histórico deve ser um elemento obrigatório dos registros eletrônicos de saúde7 e vinculado aos cuidados primários para facilitar o acesso dos médicos ao longo da vida das pacientes.”

O parto prematuro já havia sido associado a futuros distúrbios cardiometabólicos em mulheres. No entanto, os riscos de longo prazo de hipertensão1 crônica associada ao parto prematuro e se esses riscos são atribuíveis a confusão familiar não são claros. Esse conhecimento é necessário para melhorar a avaliação de risco em longo prazo, o monitoramento clínico e as estratégias de prevenção cardiovascular em mulheres.

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi examinar os riscos de longo prazo de hipertensão1 crônica associada ao parto prematuro em uma grande coorte8 de base populacional de mulheres.

Este estudo de coorte9 nacional avaliou todas as 2.195.989 mulheres na Suécia com parto único de 1º de janeiro de 1973 a 31 de dezembro de 2015. As análises de dados foram conduzidas de 8 de março de 2021 a 20 de agosto de 2021.

A exposição do estudo foi a duração da gravidez6 identificada a partir de registros de nascimento em todo o país.

O principal desfecho foi a hipertensão1 crônica de início recente identificada a partir de diagnósticos de atenção primária, ambulatório de especialidade e hospitalar usando dados administrativos. A regressão de riscos proporcionais de Cox foi usada para calcular as razões de risco (HRs) durante o ajuste para pré-eclâmpsia10, outros distúrbios hipertensivos da gravidez6 e outros fatores maternos. As análises de Cosibling foram avaliadas para confusão potencial por fatores familiares compartilhados (genéticos e/ou ambientais).

Em 46,1 milhões de pessoas-ano de acompanhamento, 351.189 de 2.195.989 mulheres (16,0%) foram diagnosticadas com hipertensão1 (idade média [DP], 55,4 [9,9] anos).

Dentro de 10 anos após o parto, a HR ajustada para hipertensão1 associada a parto prematuro (idade gestacional <37 semanas) foi de 1,67 (IC 95%, 1,61-1,74) e quando estratificada foi de 2,23 (IC 95%, 1,98-2,52) para extremamente pré-termo (22-27 semanas de gestação), 1,85 (IC 95%, 1,74-1,97) para moderadamente pré-termo (28-33 semanas de gestação), 1,55 (IC 95%, 1,48-1,63) para pré-termo tardio (34-36 semanas de gestação), e 1,26 (IC 95%, 1,22-1,30) para parto a termo precoce (37-38 semanas de gestação) em comparação com parto a termo (39-41 semanas de gestação).

Esses riscos diminuíram, mas permaneceram significativamente elevados em 10 a 19 anos (parto prematuro vs a termo: HR ajustada, 1,40; IC 95%, 1,36-1,44), 20 a 29 anos (parto prematuro vs a termo: HR ajustada, 1,20; IC 95%, 1,18-1,23) e 30 a 43 anos (parto prematuro vs a termo: HR ajustada, 1,12; IC 95%, 1,10-1,14) após o parto.

Esses achados não foram explicados por determinantes compartilhados de parto prematuro e hipertensão1 dentro das famílias.

Neste grande estudo de coorte9 nacional, o parto prematuro foi associado a riscos futuros significativamente maiores de hipertensão1 crônica. As mulheres que tiveram parto prematuro tiveram um risco 1,6 vezes maior de hipertensão1 e as mulheres que tiveram parto prematuro extremo tiveram um risco 2,2 vezes maior nos próximos 10 anos em comparação com aquelas que tiveram parto a termo.

Essas associações permaneceram elevadas pelo menos 40 anos depois e eram amplamente independentes de outros fatores maternos e familiares compartilhados. O parto prematuro deve ser reconhecido como um fator de risco11 vitalício para hipertensão1 em mulheres.

Veja também sobre "Hipertensão Arterial12", "Hipertensão1 da gravidez6" e "Gestação semana a semana".

 

Fontes:
JAMA Cardiology, publicação em 13 de outubro de 2021. (doi:10.1001/jamacardio.2021.4127)
MedPage Today, notícia publicada em 13 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Gestações mais curtas significam maior risco de hipertensão para as mulheres ao longo da vida. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1404095/gestacoes-mais-curtas-significam-maior-risco-de-hipertensao-para-as-mulheres-ao-longo-da-vida.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
10 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
11 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
12 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!