Gostou do artigo? Compartilhe!

Estatinas não foram relacionadas com artrite reumatoide, observando-se riscos atenuados após ajuste para níveis de lipídios

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de estatinas não aumentou o risco de desenvolvimento de artrite reumatoide1 (AR) após o ajuste para o importante fator de confusão da hiperlipidemia2, descobriu um grande estudo nacional dos EUA.

Um risco aumentado modesto para AR foi observado entre os pacientes que tomam estatinas após o ajuste para idade, sexo, ano índice, região de residência e raça/etnia, e também após o ajuste para o Índice de Comorbidade3 de Charlson, relatou Elena Myasoedova, MD, PhD, e colegas da Mayo Clinic.

No entanto, a associação não era mais significativa após ajuste adicional para hiperlipidemia2, conforme mostrado no estudo publicado na revista científica Arthritis Research & Therapy.

As estatinas são conhecidas por terem efeitos pleiotrópicos e “tem sido mostrado que modificam uma série de vias de sinalização celular não relacionadas a lipídios, incluindo aquelas envolvidas na elicitação de respostas inflamatórias”, escreveu a equipe.

Saiba mais sobre "Artrite reumatoide1", "Colesterol4 Alto", "Estatinas: prós e contras" e "Doenças autoimunes5".

E embora as estatinas tenham demonstrado reduzir a inflamação6 entre os pacientes com AR, uma revisão sistemática mais antiga de pacientes com ampla exposição às estatinas sugeriu que as estatinas podem realmente induzir autoimunidade7. Mas a literatura até o momento inclui resultados conflitantes, com alguns estudos encontrando efeitos protetores contra a AR, outros mostrando um risco aumentado para a AR e ainda outros sugerindo efeitos neutros.

Portanto, para esclarecer a influência potencial do uso de estatinas no desenvolvimento de AR, bem como para considerar os efeitos da duração e intensidade das estatinas e os potenciais efeitos de confusão das comorbidades8, a equipe de pesquisadores analisou os dados do OptumLabs Data Warehouse, que inclui informações não identificadas para mais de 51 milhões de indivíduos inscritos em planos comerciais de saúde9 e no Medicare Advantage de 2010 a 2019.

Assim, usando o OptumLabs Data Warehouse, os casos de AR foram identificados como pacientes com idade ≥18 anos com ≥2 diagnósticos de AR entre 1º de janeiro de 2010 e 30 de junho de 2019 e ≥1 preenchimentos de prescrição para metotrexato dentro de 1 ano do primeiro diagnóstico10 de AR. O primeiro diagnóstico10 de AR foi a data índice.

Os casos foram pareados 1:1 com controles de acordo com idade, sexo, região, ano da data índice e duração da cobertura da linha de base. Os usuários de estatina foram definidos por ter ≥2 prescrições de estatina preenchidas com pelo menos 90 dias pré-índice. Os pacientes identificados como usuários de estatina foram posteriormente classificados pelo status de usuário de estatina (atual ou anterior), duração do uso de estatina e intensidade da exposição à estatina.

Odds ratios para o risco de AR com o uso de estatina foram estimados por meio de regressão logística.

16.363 casos de AR e 16.363 controles pareados foram identificados. Entre os casos de AR, 5.509 (33,7%) pacientes eram usuários de estatina em comparação com 5.164 (31,6%) dos controles.

Os usuários de estatina tiveram um risco ligeiramente maior de AR em comparação com os não usuários (OR 1,12, IC 95% 1,06-1,18), e os ex-usuários de estatina tiveram um risco aumentado de AR em comparação com os usuários atuais (OR 1,21, IC 95% 1,13-1,28).

No entanto, o risco foi eliminado após o ajuste para hiperlipidemia2. As estimativas de risco para a duração e intensidade do uso de estatina não alcançaram significância.

Este estudo, portanto, não demonstra aumento significativo no risco de desenvolver artrite reumatoide1 para usuários de estatina em comparação com não usuários após ajuste para hiperlipidemia2, além de outros fatores de confusão relevantes. No entanto, mais informações de estudos prospectivos seriam necessárias para entender melhor essa relação.

Leia sobre "Entendendo o colesterol4 do organismo", "Como reduzir o colesterol4" e "Artrite11: por que acontece".

 

Fontes:
Arthritis Research & Therapy, publicação em 18 de setembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 22 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estatinas não foram relacionadas com artrite reumatoide, observando-se riscos atenuados após ajuste para níveis de lipídios. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402745/estatinas-nao-foram-relacionadas-com-artrite-reumatoide-observando-se-riscos-atenuados-apos-ajuste-para-niveis-de-lipidios.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
2 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
3 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
4 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
5 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Autoimunidade: 1. Estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias. 2. Autoalergia.
8 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
Gostou do artigo? Compartilhe!