Gostou do artigo? Compartilhe!

Limitar o tempo de tela para adultos jovens após uma concussão resulta em menor duração dos sintomas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um ensaio clínico com 125 adultos jovens mostrou que aqueles que limitaram o tempo de tela por 48 horas imediatamente após sofrer uma concussão tiveram uma duração significativamente menor dos sintomas1 do que aqueles aos quais foi permitido o uso de telas.

Essas descobertas, publicadas na JAMA Pediatrics, oferecem a primeira evidência clínica de que restringir o tempo gasto em uma tela de computador, televisão ou telefone no período agudo2 após uma concussão pode reduzir a duração dos sintomas1. O estudo apoia recomendações clínicas preliminares para limitar o tempo de tela.

Estima-se que 2,5 milhões de pessoas vão ao pronto-socorro anualmente por causa de concussões. Muitos desses pacientes são crianças de 10 a 19 anos. Em 2017, 15 por cento dos alunos do ensino médio relataram ter sido diagnosticados pelo menos uma vez com uma concussão.

Os Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos e o Grupo Internacional de Concussão Esportiva recomendam um período de repouso cognitivo3 e físico completo de 24 a 48 horas após o diagnóstico4 de concussão. No entanto, não há diretrizes claras sobre o que constitui repouso cognitivo3 durante esse período.

“É uma coisa que pais e filhos sempre perguntam no departamento de emergência”, disse o autor principal, Theodore E. Macnow, MD, professor assistente de pediatria. “O uso de telas é permitido?”

Leia sobre "Concussão cerebral5", "Manual de orientação da SBP sobre uso de telas" e "Os adolescentes e o mundo virtual".

O adolescente americano médio passa até sete horas por dia na frente de uma tela, sem incluir o tempo gasto na escola, e muitos médicos alertam contra o tempo de tela após uma concussão, disse o Dr. Macnow. Outros médicos, no entanto, acreditam que o tempo de tela limitado, desde que não induza os sintomas1, é permitido como uma das poucas formas de distração segura durante esse período. “Ainda estamos aprendendo como tratar concussões e não há recomendações claras sobre o tempo de tela”, disse Macnow. “Ninguém ainda olhou para esta questão de forma rigorosa. Queríamos lidar melhor com esta questão, então conduzimos um ensaio clínico randomizado6.”

No artigo publicado, os pesquisadores afirmam que, como existem dados limitados para orientar as recomendações de tempo de tela após a concussão, o objetivo do estudo foi determinar se o tempo de tela nas primeiras 48 horas após a concussão tem efeito na duração dos sintomas1 de concussão.

O ensaio clínico randomizado6 foi conduzido nos departamentos de emergência7 pediátrica e adulta de um centro médico terciário entre junho de 2018 e fevereiro de 2020. Os participantes incluíram uma amostra de conveniência de pacientes com idade entre 12 e 25 anos que se apresentaram ao pronto-socorro 24 horas após sofrer uma concussão. Um total de 162 pacientes foram abordados, 22 pacientes preencheram os critérios de exclusão e 15 pacientes recusaram a participação; 125 participantes foram inscritos e randomizados.

Os pacientes foram autorizados a engajar em tempo de tela (grupo de tempo de tela permitido) ou solicitados a se abster do tempo de tela (grupo de abstinência de tempo de tela) por 48 horas após a lesão8.

O desfecho primário foi dias para resolução dos sintomas1, definido como uma pontuação total da Escala de Sintomas1 Pós-Concussão (ESPC) de 3 pontos ou menos. Os pacientes completaram a ESPC, uma escala de 22 sintomas1 que classifica cada sintoma9 de 0 (não presente) a 6 (grave), a cada dia por 10 dias.

Curvas de Kaplan-Meier e modelagem de regressão de Cox foram usadas para comparar os 2 grupos. Um teste de soma de postos de Wilcoxon também foi realizado entre os participantes que completaram a ESPC a cada dia até a recuperação ou conclusão do período de estudo.

Entre 125 pacientes com concussão, a idade média (DP) foi de 17,0 (3,4) anos; 64 participantes (51,2%) eram do sexo masculino. Um total de 66 pacientes foram randomizados para o grupo de tempo de tela permitido e 59 pacientes foram randomizados para o grupo de abstinência de tempo de tela.

O modelo de regressão de Cox incluindo o grupo de intervenção e o sexo identificado pelo paciente demonstrou um efeito significativo do tempo de tela (taxa de risco [HR], 0,51; IC 95%, 0,29-0,90), indicando que os participantes que engajaram em tempo de tela tinham menos probabilidade de se recuperar durante o período de estudo.

No total, 91 pacientes foram incluídos no teste de soma de postos de Wilcoxon (47 pacientes do grupo de tempo de tela permitido e 44 pacientes do grupo de abstinência de tempo de tela). O grupo de tempo de tela permitido teve um tempo médio de recuperação significativamente maior de 8,0 dias (intervalo interquartil [IQR], 3,0 a >10,0 dias) em comparação com 3,5 dias (IQR, 2,0 a >10,0 dias; P = 0,03) no grupo de abstinência de tempo de tela.

O grupo de tempo de tela permitido relatou um tempo de tela médio de 630 minutos (IQR, 415-995 minutos) durante o período de intervenção em comparação com 130 minutos (IQR, 61-275 minutos) no grupo de abstinência de tempo de tela.

Os resultados deste estudo indicaram que evitar tempo de tela durante a recuperação de uma concussão aguda pode encurtar a duração dos sintomas1. Um estudo multicêntrico ajudaria a avaliar melhor o efeito da exposição ao tempo de tela.

Veja também sobre "Dor de cabeça10 - quando se preocupar com ela", "Acidentes domésticos - como evitar" e "Fadiga11 ocular".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 07 de setembro de 2021.
EurekAlert!, notícia publicada em 08 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Limitar o tempo de tela para adultos jovens após uma concussão resulta em menor duração dos sintomas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1401210/limitar-o-tempo-de-tela-para-adultos-jovens-apos-uma-concussao-resulta-em-menor-duracao-dos-sintomas.htm>. Acesso em: 18 out. 2021.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
3 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Concussão cerebral: Perda imediata da consciência no momento de um trauma, mas recuperável em 24 horas ou menos e sem seqüelas. Acompanha-se de amnésia retrógrada e pós-traumática, isto é, o paciente não se recorda do trauma, dos momentos que o antecederam, nem de eventos imediatamente posteriores. Hoje a tendência é considerar a concussão como resultante de um grau leve de lesão axonal difusa.
6 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
7 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Cabeça:
11 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
Gostou do artigo? Compartilhe!