Gostou do artigo? Compartilhe!

Qualquer tipo de exposição ao diabetes no útero aumenta o risco de altos erros de refração na prole

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças nascidas de mães com diabetes1 podem ter problemas na visão2 no início da idade adulta, sugeriu um novo estudo.

Em um estudo de coorte3 nacional de pares de mães e filhos dinamarqueses, crianças que foram expostas ao diabetes1 no período pré-natal tiveram um risco aumentado de 39% de desenvolver alto erro de refração nos olhos4 aos 25 anos.

Em comparação com filhos não expostos ao diabetes1, crianças nascidas de mães com diabetes1 apresentaram uma diferença de incidência5 cumulativa geral 0,72% maior.

Isso incluiu mães com diabetes tipo 16, diabetes tipo 27 e diabetes gestacional8, explicaram os autores no artigo publicado no periódico Diabetologia.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus9", "Diabetes gestacional8" e "Sinais10 e sintomas11 oftálmicos que precisam de avaliação médica".

No entanto, o risco de desenvolver este problema ocular comum, que impede o olho12 de focalizar adequadamente as imagens na retina13, foi maior para filhos nascidos de mães com diabetes tipo 27:

  • Diabetes tipo 27: HR 1,68 (IC 95% 1,36-2,08, P <0,001)
  • Diabetes tipo 16: HR 1,32 (IC 95% 1,15-1,51, P <0,001)
  • Diabetes gestacional8: HR 1,37 (IC 95% 1,21-1,55, P <0,001)

Ao olhar para os riscos variáveis ​​para alguns dos tipos específicos de alto erro de refração – hipermetropia14, miopia15 e astigmatismo16 – a exposição ao diabetes1 no útero17 foi associada a riscos significativamente aumentados para todas as três doenças oculares.

Especificamente, houve um aumento de 37% no risco de hipermetropia14 nos filhos, um aumento de 34% no risco de miopia15 e um aumento de 58% no risco de astigmatismo16.

No artigo publicado, os pesquisadores buscaram avaliar as associações entre diabetes1 materno antes ou durante a gravidez18 e o risco de alto erro de refração (ER) em filhos até a idade de 25 anos.

Este estudo de coorte3 baseado em registro nacional compreendeu 2.470.580 indivíduos nascidos em 1977–2016. A exposição foi diabetes1 materno durante ou antes da gravidez18 (diabetes tipo 16, diabetes tipo 27 e diabetes gestacional8). A regressão de Cox foi usada para examinar a associação entre diabetes1 materno e o risco de alto ER na prole desde o nascimento até a idade de 25 anos, ajustando para múltiplos fatores de confusão potenciais.

Durante até 25 anos de acompanhamento, 553 filhos de mães com diabetes1 e 19.695 filhos de mães sem diabetes1 foram diagnosticados com alto ER.

A exposição pré-natal ao diabetes1 materno foi associada a um risco aumentado de 39% de alto ER: HR 1,39 (IC 95% 1,28, 1,51), p <0,001; incidência5 cumulativa padronizada em descendentes não expostos aos 25 anos de idade 1,18% (IC 95% 1,16%, 1,19%); diferença de incidência5 cumulativa 0,72% (IC 95% 0,51%, 0,94%).

Os riscos elevados foram observados para hipermetropia14 (HR 1,37 [IC 95% 1,24, 1,51], p <0,001), miopia15 (HR 1,34 [IC 95% 1,08, 1,66], p = 0,007) e astigmatismo16 (HR 1,58 [IC 95% 1,29, 1,92], p <0,001).

Os riscos aumentados foram mais pronunciados entre os filhos de mães com complicações diabéticas (HR 2,05 [IC 95% 1,60, 2,64], p <0,001), em comparação com os de mães com diabetes1, mas sem complicações diabéticas (HR 1,18 [IC 95% 1,02, 1,37], p = 0,030).

Esses achados sugerem que o diabetes1 materno durante a gravidez18 está associado a um risco aumentado de alto erro de refração na prole, em particular entre as mães com complicações diabéticas.

O rastreamento oftalmológico precoce deve ser recomendado em filhos de mães com diabetes1 diagnosticado antes ou durante a gravidez18.

Leia sobre "Cirurgia refrativa", "Prevenção do diabetes1 e suas complicações" e "[EBOOK] Diabetes Mellitus9".

 

Fontes:
Diabetologia, publicação em 17 de agosto de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 17 de agosto de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Qualquer tipo de exposição ao diabetes no útero aumenta o risco de altos erros de refração na prole. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1400400/qualquer-tipo-de-exposicao-ao-diabetes-no-utero-aumenta-o-risco-de-altos-erros-de-refracao-na-prole.htm>. Acesso em: 2 dez. 2021.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Olhos:
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
7 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
8 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
13 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
14 Hipermetropia: Transtorno ocular em que existe uma dificuldade para ver objetos de perto. Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais e, mais recentemente, com o uso de cirurgia a laser.
15 Miopia: Incapacidade para ver de forma clara objetos que se encontram distantes do olho.Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais, e mais recentemente com o uso de cirurgia a laser.
16 Astigmatismo: Defeito de curvatura nas superfícies de refração do olho que produz transtornos de acuidade visual.
17 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
18 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!