Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamento para diabetes foi associado a menos amiloide cerebral e declínio cognitivo mais lento na doença de Alzheimer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

Em um estudo retrospectivo1, os inibidores da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4) – agentes hipoglicemiantes2 usados para tratar diabetes3 tipo 2 – foram associados com carga amiloide baixa e declínio cognitivo4 mais lento.

De 282 pacientes com doença de Alzheimer5 com comprometimento cognitivo4 e exame de PET scan positivo para amiloide, as pessoas que usaram inibidores da DPP-4 para tratar diabetes3 tiveram carga amiloide global menor do que as pessoas que usaram outros medicamentos para diabetes3 ou pessoas sem diabetes3, depois de ajustar para idade, sexo, educação, estado cognitivo4 e status APOE4, relatou Phil Hyu Lee, MD, PhD, do Yonsei University College of Medicine em Seul, Coreia do Sul, e colegas.

Pacientes com diabetes3 em uso de inibidores da DPP-4 também apresentaram menor carga amiloide regional nas áreas temporoparietais do que pessoas em outros grupos, escreveram eles no estudo publicado na revista Neurology.

Além disso, esses pacientes apresentaram diminuição longitudinal mais lenta nos escores do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) e nos subescores de recuperação da memória do que os pacientes que usaram outros medicamentos para diabetes3.

Saiba mais sobre "Distúrbio neurocognitivo", "Mal de Alzheimer6" e "Diabetes Mellitus7".

“Pessoas com diabetes3 demonstraram ter um risco maior de doença de Alzheimer5, possivelmente devido aos altos níveis de açúcar8 no sangue9, que foram associados ao acúmulo de beta-amiloide no cérebro”, disse Lee em um comunicado.

“Nosso estudo não apenas mostrou que pessoas que tomam inibidores da dipeptidil peptidase-4 para reduzir os níveis de açúcar8 no sangue9 tinham menos amiloide em seus cérebros em geral, mas também mostraram níveis mais baixos em áreas do cérebro10 envolvidas na doença de Alzheimer”, acrescentou.

No artigo publicado, os pesquisadores analisaram a associação de uso de inibidor da dipeptidil peptidase-4 e carga amiloide em pacientes diabéticos com deficiência cognitiva11 relacionada à doença de Alzheimer5.

O objetivo do estudo foi investigar se os inibidores da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4i) têm efeitos benéficos na agregação amiloide e no resultado cognitivo4 longitudinal no comprometimento cognitivo4 relacionado à doença de Alzheimer5 (CCDA) em diabéticos.

Foram revisados retrospectivamente 282 pacientes com CCDA que tiveram varredura positiva para amiloide em imagens PET scan usando florbetapir F 18. Eles foram classificados em três grupos de acordo com um diagnóstico12 prévio de diabetes3 e uso de DPP-4i: pacientes diabéticos sendo tratados com DPP-4i (CCDA-DPP-4i +, n = 70) ou sem DPP-4i (CCDA-DPP-4i −, n = 71) e pacientes não diabéticos (n = 141).

As análises de regressão linear múltipla foram realizadas para determinar as diferenças entre os grupos na retenção global e regional de amiloide usando taxas de valor de captação padronizadas calculadas a partir de áreas corticais. Avaliou-se as mudanças longitudinais na pontuação do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) usando um modelo linear misto.

O grupo CCDA-DPP-4i + teve menor carga amiloide global do que o grupo CCDA-DPP-4i − (β = 0,075, erro padrão [EP] = 0,024, p = 0,002) e o grupo CCAD não diabético (β = 0,054, EP = 0,021, p = 0,010) após o ajuste para idade, sexo, educação, estado cognitivo4 e estado de portador de genótipo13 APOE4.

Além disso, o grupo CCDA-DPP-4i + apresentou menor carga amiloide regional nas áreas temporoparietais do que o grupo CCDA-DPP-4i − ou o grupo CCDA não diabético.

O grupo CCDA-DPP-4i + mostrou uma diminuição longitudinal mais lenta no escore do MEEM (β = 0,772, EP = 0,272, p = 0,005) e no subescore de recuperação da memória (β = 0,291, EP = 0,116, p = 0,012) do que o grupo CCDA-DPP-4i −.

Esses achados sugerem que o uso de inibidores da DPP-4 está associado a uma carga amiloide baixa e a um desfecho cognitivo4 favorável a longo prazo em pacientes diabéticos com comprometimento cognitivo4 relacionado à doença de Alzheimer5.

Leia sobre "Opções de tratamentos para o diabetes3", "Envelhecimento cerebral normal ou patológico" e "Conhecendo as doenças degenerativas14".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 11 de agosto de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 11 de agosto de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Medicamento para diabetes foi associado a menos amiloide cerebral e declínio cognitivo mais lento na doença de Alzheimer. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1399925/medicamento-para-diabetes-foi-associado-a-menos-amiloide-cerebral-e-declinio-cognitivo-mais-lento-na-doenca-de-alzheimer.htm>. Acesso em: 19 set. 2021.

Complementos

1 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
2 Hipoglicemiantes: Medicamentos que contribuem para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capazes de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
5 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
6 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
7 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
11 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Genótipo: Composição genética de um indivíduo, ou seja, os genes que ele tem.
14 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!