Gostou do artigo? Compartilhe!

Pior controle glicêmico e complicações diabéticas aumentam o risco de demência em pacientes com diabetes tipo 2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O diabetes1 tipo 2 é um fator de risco2 estabelecido para demência3. No entanto, os papéis do controle glicêmico e das complicações diabéticas no desenvolvimento da demência3 foram menos fundamentados.

Este estudo de coorte4 em grande escala, publicado na revista Diabetes1 Care, visa examinar associações de níveis longitudinais de HbA1c5 e complicações diabéticas com o risco de incidência6 de demência3 entre pacientes com diabetes tipo 27.

Os dados de pacientes elegíveis com diabetes1, com idade ≥50 anos, no U.K. Clinical Practice Research Datalink de 1987 a 2018, foram analisados. As regressões de Cox com variação no tempo foram usadas para estimar as taxas de risco ajustadas (HRs) e os ICs de 95% para o risco de demência3.

Entre 457.902 pacientes com diabetes1, 28.627 (6,3%) casos de demência3 incidente8 foram observados durante uma mediana de 6 anos de acompanhamento.

Pacientes com eventos hipoglicêmicos registrados ou complicações microvasculares estavam em maior risco de incidência6 de demência3 em comparação com aqueles sem tais complicações (HR 1,30 [IC 95% 1,22-1,39] e 1,10 [1,06-1,14], respectivamente).

O nível de HbA1c5, modelado como uma exposição variável no tempo, foi associado ao risco aumentado de demência3 (HR 1,08 [IC 95% 1,07-1,09] por incremento de 1% de HbA1c5) entre 372.287 pacientes com diabetes1 com registros de HbA1c5 pós-diagnóstico9.

Da mesma forma, um coeficiente de variação mais alto de HbA1c5 durante os 3 anos iniciais de acompanhamento foi associado a um maior risco de demência3 subsequente (HR 1,03 [IC 95% 1,01-1,04] por incremento de 1 desvio padrão).

O estudo concluiu que níveis de HbA1c5 mais altos ou instáveis ​​e a presença de complicações diabéticas em pacientes com diabetes tipo 27 estão associados a um risco aumentado de demência3.

O controle eficaz da glicemia10 pode ter um papel significativo na manutenção da saúde11 cognitiva12 entre idosos com diabetes1.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus13", "Distúrbio neurocognitivo", "Hemoglobina glicosilada14" e "Prevenção do diabetes1 e suas complicações".

 

Fonte: Diabetes1 Care, Vol. 44, Nº 7, em 21 de julho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Pior controle glicêmico e complicações diabéticas aumentam o risco de demência em pacientes com diabetes tipo 2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1399035/pior-controle-glicemico-e-complicacoes-diabeticas-aumentam-o-risco-de-demencia-em-pacientes-com-diabetes-tipo-2.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
8 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
12 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
13 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
14 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
Gostou do artigo? Compartilhe!