Gostou do artigo? Compartilhe!

Horário e duração do sono noturno, bem como cochilos diurnos, influenciam na prevalência da obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dormir tarde está associado à obesidade1 geral e abdominal, e existe uma associação heterogênea entre homens e mulheres?

A obesidade1 é uma ameaça crescente à saúde2 pública, levando a graves consequências para a saúde2. Dormir tarde e a perda de sono são comuns na sociedade moderna, mas suas associações com tipos específicos de obesidade1 não são bem caracterizadas.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi avaliar se o horário de dormir e o comportamento de cochilar estão associados ao aumento da obesidade1, independentemente da duração do sono noturno.

Leia sobre "Sono - como ele é", "Ciclos do sono", "Obesidade1" e "Higiene do sono - como deve ser feita".

Este grande estudo transversal de base populacional, multinacional, usou dados de participantes de 60 centros de estudo em 26 países com diferentes níveis de renda, como parte do estudo Prospective Urban Rural Epidemiology. Os participantes tinham entre 35 e 70 anos e foram recrutados principalmente durante 2005 e 2009. A análise dos dados ocorreu de outubro de 2020 a março de 2021.

As exposições do estudo foram horários do sono (ou seja, hora de dormir e acordar), duração do sono noturno e cochilos diurnos.

Os desfechos primários foram prevalência3 de obesidade1, especificada como obesidade1 geral, definida como índice de massa corporal4 (IMC5) de 30 ou mais, e obesidade1 abdominal, definida como circunferência da cintura maior que 102 cm para homens ou maior que 88 cm para mulheres. Modelos de regressão logística multinível com efeitos aleatórios para os centros de estudo foram realizados para calcular odds ratios ajustados (AORs) e ICs de 95%.

No geral, 136.652 participantes (81.652 [59,8%] mulheres; idade média [DP], 51,0 [9,8] anos) foram incluídos na análise. Um total de 27.195 participantes (19,9%) apresentavam obesidade1 geral e 37.024 participantes (27,1%) apresentavam obesidade1 abdominal.

A média (DP) da duração do sono noturno foi de 7,8 (1,4) horas, e a mediana (intervalo interquartil) do horário na metade do sono foi 2h15 da manhã (1h30-3h00).

Um total de 19.660 participantes (14,4%) tiveram comportamento de dormir tarde (ou seja, meia-noite ou mais tarde). Em comparação com o horário de dormir entre 20h e 22h, o horário de dormir tardio foi associado à obesidade1 geral (AOR, 1,20; IC 95%, 1,12-1,29) e à obesidade1 abdominal (AOR, 1,20; IC 95%, 1,12-1,28), particularmente entre os participantes que foram para a cama entre 2h e 6h da manhã (obesidade1 geral: AOR, 1,35; IC 95%, 1,18-1,54; obesidade1 abdominal: AOR, 1,38; IC 95%, 1,21-1,58).

O sono noturno curto de menos de 6 horas foi associado à obesidade1 geral (por exemplo, <5 horas: AOR, 1,27; IC 95%, 1,13-1,43), mas cochilos mais longos foram associados a maior prevalência3 de obesidade1 abdominal (por exemplo, ≥1 hora: AOR, 1,39; IC 95%, 1,31-1,47).

Nem o horário de ir pra cama durante o dia (ou seja, antes das 20h), nem a hora de acordar foram associados à obesidade1.

Este estudo transversal descobriu que a hora de dormir noturna tardia e o sono noturno curto foram associados a um maior risco de prevalência3 de obesidade1, tanto geral quanto abdominal, enquanto cochilos diurnos mais longos não reduziram o risco, mas foram associados a um risco ainda maior de obesidade1 abdominal, especialmente entre as mulheres.

Essas descobertas sugerem que programas estratégicos de controle de peso também devem encorajar um horário de dormir mais cedo e evitar o sono noturno curto para mitigar6 a epidemia de obesidade1.

Veja também sobre "Peso ideal e como calculá-lo", "Distúrbios do sono", "Efeitos da privação de sono" e "Tratando a obesidade1".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 30 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Horário e duração do sono noturno, bem como cochilos diurnos, influenciam na prevalência da obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1398605/horario-e-duracao-do-sono-noturno-bem-como-cochilos-diurnos-influenciam-na-prevalencia-da-obesidade.htm>. Acesso em: 19 set. 2021.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
Gostou do artigo? Compartilhe!