Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de cannabis durante a adolescência pode estar associado ao neurodesenvolvimento alterado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos em animais mostraram que o cérebro1 do adolescente é sensível a perturbações na sinalização endocanabinoide, resultando em neurodesenvolvimento alterado e efeitos comportamentais duradouros. No entanto, poucos estudos investigaram as ligações entre o uso de cannabis e o desenvolvimento do cérebro1 de adolescentes em humanos.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi examinar o grau em que o desenvolvimento da espessura cortical cerebral avaliada por ressonância magnética2 (RM) está associado ao uso de cannabis em uma amostra longitudinal de adolescentes.

Os dados foram obtidos a partir do estudo de coorte3 baseado na comunidade IMAGEN, conduzido em 8 locais europeus. Os dados de linha de base usados ​​no presente estudo foram adquiridos de 1º de março de 2008 a 31 de dezembro de 2011, e os dados de acompanhamento foram adquiridos de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2016.

Um total de 799 participantes do IMAGEN foram identificados que relataram ser ingênuos para cannabis no início do estudo e tinham dados comportamentais e de neuroimagem disponíveis no início do estudo e no acompanhamento de 5 anos. A análise estatística foi realizada de 1º de outubro de 2019 a 31 de agosto de 2020.

Leia sobre "O que é maconha" e "Crises da adolescência".

O consumo de cannabis foi avaliado no início e no acompanhamento de 5 anos com o Projeto de Pesquisa Escolar Europeia sobre Álcool e Outras Drogas. Imagens anatômicas de RM foram adquiridas com uma sequência de gradiente eco preparado por magnetização tridimensional ponderada em T1. Imagens de RM nativas com controle de qualidade foram processadas por meio do pipeline CIVET, versão 2.1.0.

O estudo avaliou 1.598 imagens de RM de 799 participantes (450 participantes do sexo feminino [56,3%]; idade média [DP], 14,4 [0,4] anos no início do estudo e 19,0 [0,7] anos no acompanhamento).

No acompanhamento de 5 anos, o uso de cannabis (de 0 a >40 usos) foi negativamente associado com a espessura do córtex pré-frontal esquerdo (pico: t785 = -4,87, tamanho do agrupamento = 1.558 vértices; P = 1,10 × 10-6, agrupamento da teoria de campo aleatório corrigido) e do córtex pré-frontal direito (pico: t785 = -4,27, tamanho do agrupamento = 1.551 vértices; P = 2,81 × 10−5, agrupamento da teoria de campo aleatório corrigido).

Não houve associações significativas entre o uso de cannabis ao longo da vida no acompanhamento de 5 anos e a espessura cortical basal, sugerindo que as diferenças neuroanatômicas observadas não precederam o início do uso de cannabis.

A análise longitudinal revelou que o afinamento cortical relacionado à idade foi qualificado pelo uso de cannabis de uma forma dependente da dose, de modo que o maior uso, desde a linha de base até o acompanhamento, foi associado a um aumento do afinamento do córtex pré-frontal esquerdo (pico: t815,27 = -4,24, tamanho do agrupamento = 3.643 vértices; P = 2,28 × 10−8, agrupamento da teoria de campo aleatório corrigido) e do córtex pré-frontal direito (pico: t813,30 = -4,71, tamanho do agrupamento = 2.675 vértices; P = 3,72 × 10−8, agrupamento da teoria de campo aleatório corrigido).

O padrão espacial de afinamento relacionado à cannabis foi associado ao afinamento relacionado à idade nesta amostra (r = 0,540; P <0,001), e a um mapa de ligação ao receptor de canabinoide 1 avaliado por tomografia de emissão de pósitrons derivado de uma amostra separada de participantes (r = -0,189; P <0,001).

A análise revelou que o afinamento no córtex pré-frontal direito, da linha de base ao acompanhamento, foi associado à impulsividade atencional no acompanhamento.

Os resultados sugerem que o uso de cannabis durante a adolescência está associado ao neurodesenvolvimento alterado, com afinamento cortical relacionado à idade acelerado de 14 a 19 anos de idade em regiões predominantemente pré-frontais. Isso foi observado particularmente em córtices ricos em receptores de canabinóide 1 e que sofrem a maior alteração de espessura relacionada à idade no meio para o final da adolescência.

Veja também sobre "Usos medicinais da maconha", "Sinais4 que apontam para a dependência às drogas" e "Transtornos devidos ao abuso de drogas".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 16 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uso de cannabis durante a adolescência pode estar associado ao neurodesenvolvimento alterado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397010/uso-de-cannabis-durante-a-adolescencia-pode-estar-associado-ao-neurodesenvolvimento-alterado.htm>. Acesso em: 4 dez. 2021.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
Gostou do artigo? Compartilhe!