Gostou do artigo? Compartilhe!

As proteínas presentes no sangue podem ser indicativas da aptidão cardiorrespiratória e da resposta aos exercícios de uma pessoa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

Novo estudo indica que um exame de sangue1 poderia conter pistas sobre o melhor tipo de exercício físico para cada pessoa. Os pesquisadores estão estudando as proteínas2 do sangue1 para saber por que alguns de nós respondem a certas formas de exercício melhor do que outros.

Se várias pessoas começarem a mesma rotina de exercícios no mesmo dia, algumas ficarão muito mais em forma, outras ficarão um pouco mais em forma e algumas podem, na verdade, perder a forma. As respostas individuais ao exercício podem variar muito e, até agora, de forma imprevisível.

Mas esse novo estudo com mais de 650 homens e mulheres sugere que os níveis de certas proteínas2 em nossa corrente sanguínea podem prever se, e como, responderemos a vários regimes de exercícios.

O estudo precisa de replicação e expansão, mas representa um início significativo em direção a um exame de sangue1 para indicar os melhores tipos de exercício para cada pessoa, e se elas podem esperar obter mais ou menos benefícios com o mesmo exercício que seus cônjuges, filhos ou outros parceiros de treinamento.

Leia sobre "Atividade física - um hábito adquirido com prazer", "Macronutrientes3 - quais são e importância para o organismo" e "Papel dos alimentos ricos em proteínas2".

Para o novo estudo, que foi publicado na revista Nature Metabolism, pesquisadores decidiram ver se certas moléculas no sangue1 das pessoas podem estar relacionadas a como suas fisiologias reagem aos exercícios. Para descobrir, eles se voltaram primeiro para os dados produzidos durante o estudo de larga escala Heritage, que investigou exercícios e saúde4 para pais e seus filhos adultos. O estudo Heritage incluiu testes laboratoriais precisos da aptidão aeróbica das pessoas, bem como coleta de sangue1, seguidos por 20 semanas de exercícios aeróbicos moderados e mais testes.

O consumo máximo de oxigênio (VO2max) é uma medida direta da aptidão cardiorrespiratória humana e está associado à saúde4. No entanto, os determinantes moleculares das diferenças interindividuais no VO2max basal (intrínseco) e dos aumentos do VO2max em resposta ao treinamento físico (ΔVO2max) são amplamente desconhecidos.

Na pesquisa, foram medidas ∼5.000 proteínas2 plasmáticas usando uma plataforma baseada em afinidade em mais de 650 adultos sedentários antes e depois de uma intervenção de exercícios de resistência de 20 semanas, e identificou-se 147 proteínas2 e 102 proteínas2 cujos níveis plasmáticos estão associados ao VO2max basal e ao ΔVO2max, respectivamente.

A adição de uma pontuação de biomarcador de proteína derivada dessas proteínas2 a uma pontuação com base em características clínicas melhora a previsão do ΔVO2max de um indivíduo.

Assim, os níveis dessas 147 proteínas2 foram fortemente associados à aptidão básica das pessoas. Se alguns desses números de proteínas2 fossem altos e outros baixos, os perfis moleculares resultantes indicavam quão em forma alguém estava.

O outro conjunto de 102 proteínas2 tendia a prever as respostas físicas das pessoas ao exercício. Níveis mais altos e mais baixos dessas moléculas – poucas das quais se sobrepõem às proteínas2 relacionadas à aptidão básica das pessoas – previram até que ponto a capacidade aeróbica de alguém aumentaria, se é que aumentaria, com o exercício.

Os pesquisadores validaram os resultados em uma coorte5 de exercícios separada, vincularam outras 21 proteínas2 à mortalidade6 por todas as causas incidentes7 em uma coorte5 baseada na comunidade e reproduziram a especificidade de ∼75% de suas principais descobertas usando ensaios baseados em anticorpos8.

Juntos, esses dados lançam luz sobre as vias biológicas relevantes para a aptidão cardiorrespiratória e destacam o valor aditivo potencial dos biomarcadores de proteína na identificação da capacidade de resposta ao exercício em humanos.

Dessa forma, os resultados do novo estudo sugerem que “ferramentas de perfil molecular podem ajudar a adaptar” planos de exercícios, disse o Dr. Robert Gerszten, professor de medicina da Harvard Medical School e chefe de medicina cardiovascular do Beth Israel Deaconess Medical Center, que conduziu o novo estudo com seu autor principal, Dr. Jeremy Robbins, e outros.

Alguém cuja assinatura de proteína na corrente sanguínea sugere que ele ou ela pode ganhar pouco condicionamento físico com uma caminhada normal moderada, andar de bicicleta ou uma rotina de natação, por exemplo, pode ser empurrado para exercícios de alta intensidade ou treinamento de resistência, disse o Dr. Gerszten.

Essa área de pesquisa ainda está em sua infância, no entanto, ele e Robbins disseram. Os cientistas precisarão estudar muito mais pessoas, com disparidades muito mais amplas em sua saúde4, forma física, idade e estilo de vida, para determinar quais proteínas2 são mais importantes para prever a resposta de um indivíduo ao exercício.

Os pesquisadores também esperam voltar e descobrir de onde essas moléculas se originaram, para entender melhor como os exercícios refazem nossos corpos e moldam nossa saúde4.

Veja também sobre "Exercícios aeróbicos", "Teste ergométrico ou teste de esforço", "Treinamento funcional" e "CrossFit - Vantagens e Desvantagens".

 

Fontes:
Nature Metabolism, publicação em 27 de maio de 2021.
The New York Times, notícia publicada em 09 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. As proteínas presentes no sangue podem ser indicativas da aptidão cardiorrespiratória e da resposta aos exercícios de uma pessoa. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1396845/as-proteinas-presentes-no-sangue-podem-ser-indicativas-da-aptidao-cardiorrespiratoria-e-da-resposta-aos-exercicios-de-uma-pessoa.htm>. Acesso em: 4 ago. 2021.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
3 Macronutrientes: Os macronutrientes fornecem as calorias aos alimentos. São eles: carboidratos, proteínas e lipídeos.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
8 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!