Gostou do artigo? Compartilhe!

Sistema de administração de insulina automatizado, sem câmara, no corpo, se mostrou seguro e melhorou níveis de HbA1c em adultos e crianças com diabetes tipo 1

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os avanços na tecnologia do diabetes1 transformaram o paradigma do tratamento para o diabetes tipo 12, mas o fardo da doença é significativo.

Em artigo publicado na revista Diabetes1 Care, pesquisadores relatam um estudo de segurança fundamental do primeiro sistema de administração de insulina3 automatizado, sem câmara, no corpo, com alvos glicêmicos personalizáveis.

Leia sobre "Quatro vezes mais anos de vida perdidos para diabetes tipo 12 do que para diabetes tipo 24", "O papel da insulina3 no corpo" e "Opções de tratamentos para o diabetes1".

Este estudo prospectivo5 multicêntrico de braço único envolveu 112 crianças (idade de 6 a 13,9 anos) e 129 adultos (idade de 14 a 70 anos). Uma fase de terapia padrão de 2 semanas (regime de insulina3 usual) foi seguida por 3 meses de administração automática de insulina3.

Os resultados de segurança primários foram a incidência6 de hipoglicemia7 grave e cetoacidose diabética8. Os resultados de eficácia primária foram a mudança na HbA1c9 e a porcentagem de tempo na faixa de glicose10 do sensor de 70 a 180 mg/dL11 (“tempo na faixa”).

Um total de 235 participantes (98% dos inscritos, incluindo 111 crianças e 124 adultos) completaram o estudo.

A HbA1c9 foi significativamente reduzida em crianças em 0,71% (7,8 mmol/mol) (média ± DP: 7,67 ± 0,95% a 6,99 ± 0,63% [60 ± 10,4 mmol/mol a 53 ± 6,9 mmol/mol], P <0,0001) e em adultos em 0,38% (4,2 mmol/mol) (7,16 ± 0,86% a 6,78 ± 0,68% [55 ± 9,4 mmol/mol a 51 ± 7,4 mmol/mol], P <0,0001).

O tempo na faixa foi melhorado da terapia padrão em 15,6 ± 11,5% ou 3,7 h/dia em crianças e 9,3 ± 11,8% ou 2,2 h/dia em adultos (ambos P <0,0001).

Isso foi alcançado com uma redução no tempo de hipoglicemia7 <70 mg/dL11 entre os adultos (mediana [intervalo interquartil]: 2,00% [0,63, 4,06] a 1,09% [0,46, 1,75], P <0,0001), enquanto este parâmetro permaneceu o mesmo em crianças.

Ocorreram três eventos graves de hipoglicemia7 não atribuíveis ao mau funcionamento da administração automática de insulina3 e um evento de cetoacidose diabética8 decorrente de uma falha no local da infusão.

Este sistema automatizado de administração de insulina3 foi seguro e permitiu aos participantes melhorar significativamente os níveis de HbA1c9 e o tempo na faixa de glicose10 alvo com uma ocorrência muito baixa de hipoglicemia7.

Veja mais sobre "Hemoglobina glicosilada12", "Cetoacidose diabética8", "Como reconhecer e evitar a hipoglicemia7" e "Bomba de insulina13 - vantagens e desvantagens".

 

Fonte: Diabetes1 Care, publicação em 07 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Sistema de administração de insulina automatizado, sem câmara, no corpo, se mostrou seguro e melhorou níveis de HbA1c em adultos e crianças com diabetes tipo 1. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1396785/sistema-de-administracao-de-insulina-automatizado-sem-camara-no-corpo-se-mostrou-seguro-e-melhorou-niveis-de-hba1c-em-adultos-e-criancas-com-diabetes-tipo-1.htm>. Acesso em: 4 ago. 2021.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
3 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
8 Cetoacidose diabética: Complicação aguda comum do diabetes melito, é caracterizada pela tríade de hiperglicemia, cetose e acidose. Laboratorialmente se caracteriza por pH arterial 250 mg/dl, com moderado grau de cetonemia e cetonúria. Esta condição pode ser precipitada principalmente por infecções, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular encefálico, trauma e tratamento inadequado do diabetes. Os sinais clínicos da cetoacidose são náuseas, vômitos, dor epigástrica (no estômago), hálito cetônico e respiração rápida. O não-tratamento desta condição pode levar ao coma e à morte.
9 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
10 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
11 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
12 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
13 Bomba de insulina: Pequena bomba implantada no corpo para liberar insulina de maneira contínua ao longo do dia. A liberação de insulina é comandada pelo usuário da bomba, através de um controle remoto. Podem ser liberados bolus de insulina (várias unidades ao mesmo tempo) nas refeições ou quando os níveis de glicose estão altos, baseados na programação feita pelo usuário.
Gostou do artigo? Compartilhe!