Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo internacional identifica alta prevalência de sintomas depressivos em pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 em países em desenvolvimento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

Pacientes com diabetes tipo 11 e tipo 2 têm uma alta prevalência2 de sintomas3 depressivos, com ∼30% tendo sintomas3 depressivos e 11% tendo depressão maior. Uma revisão sistemática de estudos predominantemente dos EUA e da Europa relatou que a prevalência2 de depressão foi três vezes maior em pacientes com diabetes tipo 11 e quase duas vezes maior em pacientes com diabetes tipo 24 em comparação com a população em geral. Um estudo nos EUA também mostrou que o controle glicêmico deficiente, sexo feminino e baixos níveis de educação geral foram fatores de risco independentes para sintomas3 depressivos maiores.

Existem evidências emergentes sobre a associação bidirecional entre depressão e diabetes5. Em alguns estudos, a depressão foi associada a um risco aumentado de diabetes tipo 24, enquanto outros mostraram que o diabetes5 era um fator de risco6 para depressão. Embora a natureza causal dessa associação permaneça incerta, a depressão em pessoas com diabetes5 pode levar a uma baixa adesão ao tratamento, controle glicêmico subótimo, aumento do risco de complicações microvasculares e macrovasculares e aumento dos custos de saúde7.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus8 - Informações para ajudar a conhecê-lo, preveni-lo, tratá-lo" e "Depressões - o que são".

Assim, sabe-se que a depressão é comum em pessoas com diabetes5, mas os dados dos países em desenvolvimento são escassos. Portanto, neste estudo, publicado na revista Diabetes5 Care, pesquisadores avaliaram a prevalência2 e os fatores de risco para sintomas3 depressivos em pacientes com diabetes5 usando dados do International Diabetes5 Management Practices Study (IDMPS).

O IDMPS é um estudo transversal multinacional em andamento que investiga a qualidade do atendimento em pacientes com diabetes5 em ambientes do mundo real. Os dados da onda 5 (2011), incluindo 21 países, foram analisados ​​usando o Questionário de Saúde7 do Paciente de 9 itens (PHQ-9) para avaliar os sintomas3 depressivos. Análises de regressão logística foram conduzidas para identificar fatores de risco de sintomas3 depressivos.

De 9.865 pacientes elegíveis para análise, 2.280 tinham diabetes tipo 11 e 7.585 tinham diabetes tipo 24 (tratamento: medicamentos orais para redução da glicose9 [MORG] apenas, n = 4.729; MORGs mais insulina10, n = 1.892; insulina10 apenas, n = 964).

Sintomas3 depressivos (pontuação do PHQ-9 ≥5) foram relatados em 30,7% das pessoas com diabetes tipo 11. Em pacientes com diabetes tipo 24, os respectivos valores para os subgrupos foram 29,0% para MORGs apenas, 36,6% para MORGs mais insulina10 e 46,7% para insulina10 apenas.

Sintomas3 depressivos moderados (escore PHQ-9 de 10 a 19) foram observados em 8-16% dos pacientes com diabetes tipo 11 ou tipo 2. Sexo feminino, complicações e baixo nível socioeconômico foram independentemente associados aos sintomas3 depressivos.

No diabetes tipo 11 e no diabetes tipo 24 no grupo de MORGs apenas, a depressão foi associada a um controle glicêmico deficiente.

O estudo concluiu que os sintomas3 depressivos são comuns em pacientes com diabetes5 de países em desenvolvimento, o que pede por exames de rotina, especialmente em grupos de alto risco, para reduzir a carga dupla de diabetes5 e depressão e sua interação negativa.

Leia sobre "Quatro vezes mais anos de vida perdidos para diabetes tipo 11 do que para diabetes tipo 24", "Opções de tratamentos para o diabetes mellitus8" e "Antidepressivos".

 

Fonte: Diabetes5 Care, Vol. 44, Nº 5, em maio de 2021

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo internacional identifica alta prevalência de sintomas depressivos em pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 em países em desenvolvimento. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1394680/estudo-internacional-identifica-alta-prevalencia-de-sintomas-depressivos-em-pacientes-com-diabetes-tipo-1-e-tipo-2-em-paises-em-desenvolvimento.htm>. Acesso em: 13 jun. 2021.

Complementos

1 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
2 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
9 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
10 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
Gostou do artigo? Compartilhe!