Gostou do artigo? Compartilhe!

A terapia combinada para disfunção erétil, em comparação com a monoterapia, foi associada a melhores resultados

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Combinar 2 tratamentos de primeira linha para disfunção erétil ou iniciar outras modalidades além de uma terapia de primeira linha pode produzir resultados benéficos.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi avaliar se diferentes terapias combinadas para disfunção erétil foram associadas a melhores resultados em comparação com a monoterapia de primeira linha em vários subgrupos de pacientes com disfunção erétil.

Os estudos foram identificados por meio de uma busca sistemática na MEDLINE, Cochrane Library e Scopus desde o início dessas bases de dados até 10 de outubro de 2020.

Foram identificados ensaios clínicos1 randomizados ou estudos prospectivos de intervenção dos resultados da terapia combinada2 versus monoterapia recomendada em homens com disfunção erétil. Foram incluídos apenas estudos comparativos em humanos, que avaliaram a mudança desde a linha de base da função erétil autorrelatada usando questionários validados, que foram publicados em qualquer idioma.

Extração e síntese de dados foram realizadas de acordo com a diretriz de Itens de Relatório Preferidos para Revisões Sistemáticas e Metanálises (PRISMA).

Saiba mais sobre "Impotência3 sexual ou disfunção erétil"  e "Viagra: prós e contras".

Foi realizada uma metanálise que incluiu ensaios clínicos1 randomizados que compararam os resultados da terapia combinada2 com inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) mais outro agente vs monoterapia com inibidor da PDE5. Análises separadas foram realizadas para a alteração média do escore do Índice Internacional de Função Erétil (IIFE) da linha de base e o número de eventos adversos por diferentes modalidades de tratamento e subgrupos de pacientes.

Um total de 44 estudos incluiu 3.853 homens com idade média (DP) de 55,8 (11,9) anos. A terapia combinada2 em comparação com a monoterapia foi associada a uma média de melhoria do escore do IIFE de 1,76 pontos (IC 95%, 1,27-2,24; I² = 77%; IP 95%, -0,56 a 4,08).

A adição diária de tadalafil, de terapia por ondas de choque4 de baixa intensidade, de dispositivo erétil a vácuo, de ácido fólico, de cloridrato de metformina5 ou de inibidores da enzima6 conversora de angiotensina foi associada a uma melhora significativa no escore do IIFE, mas cada medida foi baseada em apenas um estudo.

Especificamente, a diferença média ponderada (DMP) no escore do IIFE foi de 1,70 (IC 95%, 0,79-2,61) para a adição de tadalafil diário, 3,50 (IC 95%, 0,22-6,78) para a adição de terapia por ondas de choque4 de baixa intensidade, 8,40 (IC 95%, 4,90-11,90) para a adição de um dispositivo erétil a vácuo, 3,46 (IC 95%, 2,16-4,76) para a adição de ácido fólico, 4,90 (IC 95%, 2,82-6,98) para a adição de cloridrato de metformina5 e 2,07 (IC 95%, 1,37-2,77) para a adição de inibidores da enzima6 conversora de angiotensina.

A adição de α-bloqueadores aos inibidores da PDE5 não foi associada à melhora no escore do IIFE (DMP, 0,80; IC 95%, -0,06 a 1,65; I² = 72%).

Em comparação com a monoterapia, a terapia combinada2 foi associada a uma melhoria no escore do IIFE em pacientes com hipogonadismo (DMP, 1,61; IC 95%, 0,99-2,23; I² = 0%), com disfunção erétil resistente à monoterapia (DMP, 4,38; IC 95%, 2,37-6,40; I² = 52%), ou com disfunção erétil induzida por prostatectomia (DMP, 5,47; IC 95%, 3,11-7,83; I² = 53%).

Os eventos adversos relacionados ao tratamento não diferiram entre a terapia combinada2 e a monoterapia (odds ratio, 1,10; IC 95%, 0,66-1,85; I² = 78%). Apesar de múltiplas análises de subgrupo e sensibilidade, os níveis de heterogeneidade permaneceram altos.

Esse estudo descobriu que a terapia combinada2 de inibidores da PDE5 e antioxidantes foi associada com disfunção erétil melhorada sem aumentar os eventos adversos. O tratamento com inibidores da PDE5 e tadalafil diário, ondas de choque4 ou um dispositivo a vácuo foi associado a uma melhora adicional, mas este resultado foi baseado em dados limitados.

Esses achados sugerem que a terapia combinada2 é segura, associada a melhores resultados, e deve ser considerada como terapia de primeira linha para casos de disfunção erétil refratários7, complexos ou difíceis de tratar.

Leia sobre "Doenças do pênis8", "Distúrbios da testosterona" e "Hipogonadismo".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 18 de fevereiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. A terapia combinada para disfunção erétil, em comparação com a monoterapia, foi associada a melhores resultados. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1389455/a-terapia-combinada-para-disfuncao-eretil-em-comparacao-com-a-monoterapia-foi-associada-a-melhores-resultados.htm>. Acesso em: 18 set. 2021.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
3 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
4 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
5 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
6 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
7 Refratários: 1. Que resiste à ação física ou química. 2. Que resiste às leis ou a princípios de autoridade. 3. No sentido figurado, que não se ressente de ataques ou ações exteriores; insensível, indiferente, resistente. 4. Imune a certas doenças.
8 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
Gostou do artigo? Compartilhe!