Gostou do artigo? Compartilhe!

Consumo de ovo e colesterol foi associado a maior mortalidade por todas as causas, por doença cardiovascular e por câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Se o consumo de ovo1 e colesterol2 é prejudicial à saúde3 cardiovascular e à longevidade, é altamente discutível. Os dados de estudos de coorte4 em grande escala são escassos.

Este estudo, publicado na revista PLOS Medicine, teve como objetivo examinar as associações da ingestão de ovos e colesterol2 com mortalidade5 por todas as causas, por doenças cardiovasculares6 (DCV) e por outras causas na população dos Estados Unidos.

No geral, 521.120 participantes (com idades entre 50-71 anos, idade média = 62,2 anos, 41,2% mulheres e 91,8% brancos não hispânicos) foram recrutados de 6 estados e 2 cidades adicionais nos EUA entre 1995 e 1996 e prospectivamente acompanhados até no final de 2011.

A ingestão de ovos inteiros, claras / substitutos de ovo1 e colesterol2 foi avaliada por um questionário de frequência alimentar validado. Modelos de risco de causa específica considerando riscos concorrentes foram usados, com o quintil7 mais baixo de ingestão ajustada por energia (por 2.000 kcal por dia) como referência.

Saiba mais sobre "O colesterol2 do organismo", "Doenças cardiovasculares6", "Longevidade - o que é" e "O que é uma alimentação saudável".

Houve 129.328 mortes, incluindo 38.747 mortes por DCV durante um acompanhamento médio de 16 anos. Ingestão de ovo1 inteiro e de colesterol2 foram positivamente associadas a mortalidade5 por todas as causas, por doenças cardiovasculares6 e por câncer8.

Em modelos ajustados por multivariáveis, as taxas de risco (intervalos de confiança de 95%) associadas a cada ingestão de uma metade adicional de um ovo1 inteiro por dia foram 1,07 (1,06-1,08) para mortalidade5 por todas as causas, 1,07 (1,06-1,09) para mortalidade5 por DCV e 1,07 (1,06-1,09) para mortalidade5 por câncer8.

Cada ingestão de 300 mg adicionais de colesterol2 dietético por dia foi associada a mortalidade5 por todas as causas, por DCV e por câncer8 19%, 16% e 24% mais alta, respectivamente.

Modelos de mediação estimaram que a ingestão de colesterol2 contribuiu com 63,2% (IC 95% 49,6% - 75,0%), 62,3% (IC 95% 39,5% - 80,7%) e 49,6% (IC 95% 31,9% - 67,4%) da mortalidade5 por todas as causas, por DCV e por câncer8 associada ao consumo de ovo1 inteiro, respectivamente.

Consumidores de clara de ovo1 / substitutos tiveram mortalidade5 por todas as causas e mortalidade5 por acidente vascular cerebral9, câncer8, doenças respiratórias e doença de Alzheimer10 menores em comparação com os não consumidores.

Hipoteticamente, substituir meio ovo1 inteiro por quantidades equivalentes de clara de ovo1 / substitutos, aves, peixes, produtos lácteos ou nozes / leguminosas estava relacionado a uma menor mortalidade5 por todas as causas, por DCV, por câncer8 e por doenças respiratórias.

As limitações do estudo incluem sua natureza observacional, confiança no autorrelato do participante e confusão residual, apesar do amplo ajuste para fatores de risco alimentares e de estilo de vida reconhecidos.

Neste estudo, a ingestão de ovos e colesterol2 foi associada a maior mortalidade5 por todas as causas, por DCV e por câncer8. O aumento da mortalidade5 associada ao consumo de ovos foi amplamente influenciado pela ingestão de colesterol2.

As descobertas sugerem limitar a ingestão de colesterol2 e substituir ovos inteiros por claras / substitutos ou outras fontes alternativas de proteína para facilitar a saúde3 cardiovascular e a sobrevivência11 a longo prazo.

Leia sobre "A importância das gorduras para o organismo", "O que fazer para reduzir o colesterol2", "Sete passos para um coração12 saudável" e "Doenças que mais matam no mundo e no Brasil".

 

Fonte: PLOS Medicine, publicação em 09 de fevereiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Consumo de ovo e colesterol foi associado a maior mortalidade por todas as causas, por doença cardiovascular e por câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1389025/consumo-de-ovo-e-colesterol-foi-associado-a-maior-mortalidade-por-todas-as-causas-por-doenca-cardiovascular-e-por-cancer.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
2 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Quintil: 1. Em estatística, diz-se de ou qualquer separatriz que divide a área de uma distribuição de frequência em cinco domínios de áreas iguais. O termo quintil também é utilizado, por vezes, para designar uma das quintas partes da amostra ordenada. 2. Em astronomia, é o aspecto de dois planetas distantes 72° entre si (distância angular correspondente a um quinto do Zodíaco). 3. Em matemática, é o mesmo que quíntico. A palavra quintil deriva do latim quintus, que significa quinto.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
11 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!