Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo mostrou a insônia como uma condição persistente, com 37,5% dos participantes que tinham insônia relatando a persistência da condição ao longo de 5 anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A insônia é um importante problema de saúde1 pública, mas há poucas informações sobre sua história natural.

O objetivo deste estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi avaliar as taxas de incidência2, persistência e remissão da insônia ao longo de um período de acompanhamento naturalístico de 5 anos.

Este estudo de coorte3 incluiu participantes com e sem problemas de sono selecionados da população adulta no Canadá de agosto de 2007 a junho de 2014. Os participantes completaram uma pesquisa anual sobre seu sono e estado de saúde1 por 5 anos consecutivos.

Usando algoritmos validados, os participantes foram classificados em cada avaliação como bons dormidores (n = 1.717), tendo um distúrbio de insônia (n = 538) ou tendo insônia subsindrômica (n = 818).

Saiba mais sobre "Insônia - informações básicas", "Como é o sono" e "Distúrbios do sono".

As análises de sobrevivência4 foram usadas para derivar as taxas de incidência2 de nova insônia entre o subgrupo de bons dormidores no início do estudo e as taxas de persistência e remissão entre aqueles com insônia no início do estudo. As trajetórias do sono foram examinadas observando-se as transições ano-pessoa entre cada ano consecutivo somadas ao longo do período de acompanhamento de 5 anos. Todas as análises inferenciais foram ponderadas de acordo com pesos amostrais normalizados.

A amostra incluiu 3.073 adultos (idade média [DP], 48,1 [15,0] anos; variação, 18,0-95,0 anos; 1910 [62,2%] mulheres).

No geral, 13,9% (IC 95%, 11,0% - 17,5%) dos bons dormidores iniciais desenvolveram uma síndrome5 de insônia durante o período de acompanhamento de 5 anos, e as taxas de incidência2 foram maiores entre as mulheres do que entre os homens (17,6% [IC 95%, 13,6% - 22,7%] vs 10,1% [IC 95%, 6,6% - 15,3%; χ2 = 4,43; P = 0,03).

Um total de 37,5% (IC 95%, 32,6% - 42,5%) dos participantes com insônia no início do estudo relataram insônia persistente em cada um dos 5 tempos de acompanhamento anual. Para insônia subsindrômica, as taxas foram de 62,5% em 1 ano a 26,5% em 5 anos. Para insônia sindrômica, as taxas foram de 86,0% em 1 ano a 59,1% em 5 anos.

Por outro lado, as taxas de remissão entre aqueles com insônia subsindrômica foram quase o dobro das taxas entre aqueles com uma síndrome5 de insônia em 1 ano (37,5% [IC 95%, 31,7% - 44,0%] vs 14,0% [IC 95%, 9,3% - 20,8% ]), 3 anos (62,7% [IC 95%, 56,7% - 68,7%] vs 27,6% [IC 95%, 20,9% - 35,9%]) e 5 anos (73,6% [IC 95%, 68,0% - 78,9%] vs 40,9% [IC 95%, 32,7% - 50,4%]).

As trajetórias anuais mostraram que os indivíduos que dormiam bem no início do estudo tinham 4,2 (IC 95%, 3,51-4,89) vezes mais probabilidade de permanecer dormindo bem no ano subsequente, mas uma vez que desenvolveram insônia, eles eram igualmente propensos a relatar sintomas6 (47% probabilidade) do que retornar a um estado de bom dormidor (53% de probabilidade) 1 ano depois.

Da mesma forma, aqueles com síndrome5 de insônia em qualquer avaliação tinham maior probabilidade (odds ratio ajustada, 1,60; IC 95%, 1,19-2,60) de permanecer nesse estado (persistência) do que de melhorar (remissão) na próxima avaliação; mesmo entre aqueles que melhoraram, as chances de recaída foram maiores (odds ratio ajustada, 2,04; IC 95%, 1,23-3,37) do que aquelas de melhorar no ano seguinte.

Os resultados sugerem que a insônia costuma ser uma condição persistente. Considerando os resultados adversos em longo prazo associados à insônia persistente, esses achados podem ter implicações importantes para o prognóstico7 e o tratamento da insônia, e sugerem que é importante identificar e intervir precocemente nos indivíduos em risco.

Leia sobre "Higiene do sono", "Insônia - como dormir melhor", "Privação de sono e seus efeitos" e "Ciclos do sono".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 06 de novembro de 2020.

NEWS.MED.BR, 2020. Estudo mostrou a insônia como uma condição persistente, com 37,5% dos participantes que tinham insônia relatando a persistência da condição ao longo de 5 anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1383133/estudo-mostrou-a-insonia-como-uma-condicao-persistente-com-37-5-dos-participantes-que-tinham-insonia-relatando-a-persistencia-da-condicao-ao-longo-de-5-anos.htm>. Acesso em: 25 jan. 2021.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
5 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
Gostou do artigo? Compartilhe!