Gostou do artigo? Compartilhe!

Quatro vezes mais anos de vida perdidos para diabetes tipo 1 do que para diabetes tipo 2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Indivíduos com diabetes tipo 11 (DM1) perdem quase 8 anos de vida em comparação com aqueles sem diabetes2, enquanto aqueles com diabetes tipo 23 (DM2) perdem quase 2 anos, sugere uma análise de dados de mortalidade4 em nível populacional.

A pesquisa foi apresentada no EASD Virtual Meeting 2020 em 22 de setembro, e também publicada no periódico Cardiovascular Endocrinology & Metabolism.

Com o crescimento sustentado dos números de diabetes2, o engajamento sustentado do paciente é essencial. Usando dados disponíveis nacionalmente, os pesquisadores mostraram que a mortalidade4 mais alta associada a um diagnóstico5 de DM1 / DM2 pode produzir perda de 6,4 milhões de anos de vida futura na população atual do Reino Unido.

Leia sobre "Diabetes Mellitus6", "Como evitar o diabetes mellitus6 tipo 2" e "Prevenção do diabetes2 e suas complicações".

No modelo, a pessoa 'média' com DM1 (idade 42,8 anos) tem uma expectativa de vida7 a partir de agora de 32,6 anos, em comparação com 40,2 anos na população com idade equivalente sem diabetes mellitus6, correspondendo a anos de vida perdidos (AVPs) de 7,6 anos / pessoa média.

A pessoa 'média' com DM2 (idade 65,4 anos) tem uma expectativa de vida7 a partir de agora de 18,6 anos em comparação com 20,3 anos para a população equivalente sem diabetes mellitus6, correspondendo a AVPs de 1,7 anos / pessoa média.

Esses números foram ainda maiores nas mulheres do que nos homens.

Estimou-se que para ambos DM1 e DM2, para cada 1 ano com HbA1c8 >58 mmol/mol perde-se cerca de 100 dias de vida. Os dados indicaram que 70% dos pacientes do estudo com diabetes tipo 11 e 33% daqueles com diabetes tipo 23 tinham um nível de HbA1c8 > 58 mmol/mol em seu último check-up.

Vincular o controle glicêmico à mortalidade4 tem o potencial de concentrar as mentes no engajamento efetivo com a terapia e na adesão às recomendações de estilo de vida.

"Claramente, esses números são bastante preocupantes, dado o esforço que envolve o controle do diabetes2", disse Mike Stedman, do Res Consortium, Andover, Hampshire, que liderou o estudo ao lado do Dr. Adrian Heald, da Universidade de Manchester.

Ele observou que os resultados demonstram que "temos mais trabalho a fazer" para levar os pacientes ao estágio em que "o diabetes2 não encurta a expectativa de vida7".

Os autores acrescentam: "A comunicação de anos de vida perdidos a partir de agora, para os pacientes no momento da consulta com profissionais de saúde9 e através de mensagens divulgadas por grupos de defesa como o Diabetes2 UK ... será de grande ajuda."

Lucy Chambers, chefe de comunicações de pesquisa da Diabetes2 UK, que não estava envolvida na pesquisa, disse: "Esta pesquisa destaca a gravidade do diabetes2 e o impacto significativo que a doença e suas complicações têm na vida de quem vive com ela.

"É preocupante ver que aqueles que vivem com diabetes2, particularmente aqueles com tipo 1, ainda correm o risco de uma expectativa de vida7 mais curta."

Pedindo mais pesquisas sobre o aumento de anos perdidos nas mulheres, Lucy Chambers acrescentou: "Embora números como este possam ser alarmantes, sabemos que manter os níveis de açúcar10 no sangue11 dentro de uma faixa saudável reduz o risco de complicações, que esta pesquisa mostra que também pode estender a expectativa de vida7."

Veja também sobre "Opções de tratamentos para o diabetes mellitus6" e "Como medir os níveis de glicose12 no sangue11".

 

Fontes:
Cardiovascular Endocrinology & Metabolism, publicação em 02 de junho de 2020.
Medscape, publicação em 24 de setembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Quatro vezes mais anos de vida perdidos para diabetes tipo 1 do que para diabetes tipo 2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1380368/quatro-vezes-mais-anos-de-vida-perdidos-para-diabetes-tipo-1-do-que-para-diabetes-tipo-2.htm>. Acesso em: 29 out. 2020.

Complementos

1 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
7 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
8 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
Gostou do artigo? Compartilhe!