Gostou do artigo? Compartilhe!

Diabetes, alteração de peso e risco de câncer de pâncreas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O câncer1 de pâncreas2 é a terceira causa principal de morte por câncer1 nos Estados Unidos; no entanto, poucos grupos de alto risco foram identificados para facilitar as estratégias de diagnóstico3 precoce.

O objetivo desse estudo, publicado no JAMA Oncology, foi avaliar a associação da duração do diabetes4 e alteração recente de peso com o risco subsequente de câncer1 pancreático na população em geral.

Saiba mais sobre "Câncer1 de pâncreas2" e "Câncer1 - informações importantes".

Este estudo de coorte5 obteve dados de participantes do sexo feminino no Nurses ’Health Study e de participantes do sexo masculino no Health Professionals Follow-Up Study, com avaliações repetidas de exposição ao longo de 30 anos. Casos incidentes6 de câncer1 de pâncreas2 foram identificados por autorrelato ou durante o acompanhamento das mortes dos participantes. As mortes foram apuradas por meio de relatórios dos parentes mais próximos, do Serviço Postal dos EUA ou do Índice Nacional de Mortes. A coleta de dados foi realizada de 1º de outubro de 2018 a 31 de dezembro de 2018. A análise dos dados foi realizada de 1º de janeiro de 2019 a 30 de junho de 2019.

As exposições estudadas foram duração do diabetes4 diagnosticado pelo médico e alteração recente de peso. Os principais resultados e medidas foram Hazard ratios (HRs) para o desenvolvimento subsequente de câncer1 pancreático.

Das 112.818 mulheres (com uma média [SD] de idade de 59,4 [11,7] anos) e 46.207 homens (com uma média [SD] de idade de 64,7 [10,8] anos) incluídos na análise, 1.116 casos incidentes6 de câncer1 pancreático foram identificados.

Em comparação com participantes sem diabetes4, aqueles com diabetes4 de início recente tiveram um HR ajustado por idade para câncer1 de pâncreas2 de 2,97 (IC 95%, 2,31-3,82) e aqueles com diabetes4 de longa data tiveram um HR ajustado por idade de 2,16 (IC 95%, 1,78-2,60).

Em comparação com aqueles sem perda de peso, os participantes que relataram uma perda de peso de 1 a 4 lb tiveram um HR ajustado para idade para câncer1 de pâncreas2 de 1,25 (IC 95%, 1,03-1,52), aqueles com 5 a 8 lb de perda de peso tiveram um HR ajustado por idade de 1,33 (IC 95%, 1,06-1,66), e aqueles com perda de peso superior a 8 lb tiveram um HR ajustado por idade de 1,92 (IC 95%, 1,58-2,32).

Participantes com diabetes4 de início recente acompanhada por perda de peso de 1 a 8 lb (91 casos incidentes6 por 100.000 pessoas-ano [IC 95%, 55-151]; HR, 3,61 [IC 95%, 2,14-6,10]) ou mais de 8 lb (164 casos incidentes6 por 100.000 pessoas-ano [IC 95%, 114-238]; HR, 6,75 [IC 95%, 4,55-10,00]) tiveram um risco substancialmente aumentado de câncer1 pancreático em comparação com aqueles sem exposição (16 casos incidentes6 por 100.000 pessoas-ano; IC 95%, 14-17).

As taxas de incidência7 foram ainda maiores entre os participantes com diabetes4 de início recente e perda de peso com um índice de massa corporal8 de menos de 25 antes da perda de peso (400 casos incidentes6 por 100.000 pessoas-ano) ou cuja perda de peso não foi intencional, a julgar pelo aumento da atividade física ou escolhas alimentares mais saudáveis ​​(334 casos incidentes6 por 100.000 pessoas-ano).

Este estudo demonstra que o diabetes4 de início recente acompanhado de perda de peso está associado a um risco substancialmente aumentado de desenvolver câncer1 de pâncreas2. Idade avançada, peso saudável anterior e nenhuma perda de peso intencional aumentam ainda mais esse risco.

Leia sobre "Diabetes Mellitus9", "Causas da perda peso" e "Prevenção em saúde10 - sintomas11 importantes".

 

Fonte: JAMA Oncology, publicação em 13 de agosto de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Diabetes, alteração de peso e risco de câncer de pâncreas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1376463/diabetes-alteracao-de-peso-e-risco-de-cancer-de-pancreas.htm>. Acesso em: 23 nov. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
8 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!