Gostou do artigo? Compartilhe!

Ansiedade e estresse alteram a dinâmica da tomada de decisão durante a regulação da emoção em crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ansiedade e reatividade ao estresse são fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios afetivos. No entanto, os mecanismos comportamentais e de neurocircuitos que potencializam a regulação desadaptativa das emoções são pouco compreendidos. Estudos de neuroimagem implicaram a amígdala1 e o córtex pré-frontal dorsolateral (CPFDL) na regulação da emoção, mas não se sabe como a ansiedade e o estresse alteram suas interações causais de circuito específicas do contexto.

De acordo com uma nova pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, em crianças cronicamente estressadas ou ansiosas, o centro de medo do cérebro2 envia sinais3 para a parte de tomada de decisões do cérebro2, que dificultam a regulação das emoções negativas.

Os resultados, publicados pelo periódico Biological Psychiatry, vêm do primeiro estudo a usar exames cerebrais para examinar como os circuitos de regulação emocional são alterados pela ansiedade e pelo estresse crônico4 em crianças. As crianças estudadas tinham 10 ou 11 anos de idade, estágio de desenvolvimento em que a vulnerabilidade a distúrbios de regulação do humor, como ansiedade e depressão, se enraiza.

Os pesquisadores usaram modelagem computacional para informar alvos de fisiopatologia5, etiologia6 e neurocircuito afetivos para intervenção precoce.

Quarenta e cinco crianças (10 a 11 anos; 25 meninos) reavaliaram estímulos aversivos durante a ressonância magnética7 funcional. Medidas clínicas de ansiedade e estresse foram adquiridas para cada criança. Modelagem por deriva-difusão de dados comportamentais e análise de circuito causal de dados de ressonância magnética7 funcional, com uma abordagem de Critérios de Domínio de Pesquisa do Instituto Nacional de Saúde8 Mental, foram utilizados para caracterizar dinâmicas latentes de tomada de decisões comportamentais e de neurocircuitos, direcionando a regulação emocional.

As crianças reavaliaram com sucesso respostas negativas a estímulos aversivos. A modelagem por deriva-difusão revelou que a regulação da emoção era caracterizada pelo aumento do viés inicial em direção à reatividade positiva durante a visualização de estímulos aversivos e aumento da taxa de deriva, que capturava acúmulo de evidências durante a avaliação da emoção.

Fundamentalmente, a ansiedade e a reatividade ao estresse prejudicaram a dinâmica comportamental latente associada à reavaliação e tomada de decisão. Ansiedade e estresse aumentaram influências dinâmicas casuais da amígdala1 direita para o CPFDL. Por outro lado, a reatividade do CPFDL, mas não da amígdala1, foi correlacionada com o acúmulo de evidências e a tomada de decisões durante a reavaliação das emoções.

As descobertas fornecem novas ideias sobre como a ansiedade e o estresse em crianças afetam a tomada de decisão e a sinalização da amígdala1-CPFDL durante a regulação da emoção, e revelam mecanismos comportamentais e neurocircuitos latentes de risco precoce para psicopatologia.

Saiba mais sobre "Ansiedade infantil", "Estresse", "Crises da adolescência" e "Transtonos afetivos".

 

Fonte: Biological Psychiatry, publicação em 21 de fevereiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Ansiedade e estresse alteram a dinâmica da tomada de decisão durante a regulação da emoção em crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1372323/ansiedade-e-estresse-alteram-a-dinamica-da-tomada-de-decisao-durante-a-regulacao-da-emocao-em-criancas.htm>. Acesso em: 27 out. 2020.

Complementos

1 Amígdala: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
5 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
6 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!