Gostou do artigo? Compartilhe!

UNIFESP: redução de cargas iônicas pode ajudar na intolerância ao frio de pacientes com síndrome pós-poliomielite

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A síndrome1 pós-poliomielite2 (SPP) é caracterizada pelo ressurgimento de sintomas3 que ocorreram no passado na fase aguda da poliomielite2. Entre estes novos sintomas3 encontra-se a intolerância ao frio (IF), que é uma sensibilidade anormal ao frio ou a baixas temperaturas, podendo esta progredir rapidamente para dor, sendo mais comum nas extremidades do corpo.

Recentes pesquisas mostram uma variedade de mudanças positivas dentro da fisiologia4 e da construção bioelétrica do corpo, promovidas pelo aterramento humano. O objetivo deste estudo clínico, duplo cego, realizado na UNIFESP e publicado na revista da Universidade do Ibirapuera, foi verificar se através da termografia infravermelha há alteração na temperatura das extremidades dos membros inferiores (MMII) de pacientes com SPP, ao utilizar a técnica de redução de cargas iônicas.

Para este estudo foi usada como tecnologia de redução de carga iônica o Magicramp®, posicionado embaixo dos MMII de dois pacientes com SPP. A captação das imagens termográficas foi realizada com a câmera FLIR T650sc 25, 640 x 480 pixels. As imagens foram capturadas em quatro situações diferentes, sem o uso da tecnologia e nos tempos de 10, 20 e 30 minutos após a técnica anti-estática; nos dois MMII e depois em cada membro inferior (MI) separadamente. Foi observado que os MMII mais acometidos possuíam menor temperatura e maior heterogeneidade térmica. Após o uso da tecnologia anti-estática foi observada uma maior homogeneidade térmica dos MMII estudados.

Concluiu-se neste trabalho que a redução de cargas iônicas através de tecnologia de aterramento humano demonstrou uma maior homogeneidade térmica nos membros inferiores mais acometidos após o uso do Magicramp®.

É importante notar que novas pesquisas, com maior número de pacientes, são necessárias para melhor observação dos resultados alcançados.

Leia mais sobre "Poliomielite2" e "Vacina5 Sabin".

 

Fonte: Revista da Universidade de Ibirapuera, número 17, de janeiro a junho de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. UNIFESP: redução de cargas iônicas pode ajudar na intolerância ao frio de pacientes com síndrome pós-poliomielite. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1339708/unifesp-reducao-de-cargas-ionicas-pode-ajudar-na-intolerancia-ao-frio-de-pacientes-com-sindrome-pos-poliomielite.htm>. Acesso em: 20 nov. 2019.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Poliomielite: Doença viral que afeta as raízes anteriores dos nervos motores, produzindo paralisia especialmente em crianças pequenas e adolescentes. Sua incidência tem diminuído muito graças ao descobrimento de uma vacina altamente eficaz (Sabin), e de seu uso difundido no mundo inteiro.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
5 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!