Gostou do artigo? Compartilhe!

Resistência à insulina e mortalidade específica por câncer e por todas as causas em mulheres na pós-menopausa: estudo Women’s Health Initiative

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A resistência à insulina1 tem sido proposta como mediadora do aumento da incidência2 de câncer3 e da mortalidade4 associada à obesidade5. No entanto, estudos anteriores incluíram apenas mortes por câncer3 e tiveram resultados inconsistentes. Portanto, pesquisadores norte-americanos avaliaram a resistência à insulina6 e a mortalidade4 específica por câncer3 e por todas as causas em mulheres na pós-menopausa7 que participaram do estudo Women’s Health Initiative (WHI).

Saiba mais sobre "O papel da insulina1", "Prevenção do câncer3" e "Menopausa7".

Foram elegíveis 22.837 participantes (uma subamostra do WHI), com idades entre 50 e 79 anos, matriculados em 40 centros clínicos nos Estados Unidos, de 1993 a 1998, que tinham níveis basais de glicose8 e de insulina1 em jejum. A resistência inicial à insulina1 foi medida pelo modelo de avaliação da homeostase de resistência à insulina6 (HOMA-IR9). Os cânceres foram verificados pela revisão do registro médico central e as mortes verificadas pelo registro médico e pela revisão do atestado de óbito10 aprimoradas por consultas ao National Death Index. Os modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox foram usados ​​para calcular as razões de risco ajustadas (HRs) e os intervalos de confiança de 95% (ICs) para mortalidade4 específica por câncer3 e por todas as causas.

Durante uma mediana de 18,9 anos de acompanhamento, ocorreram 1.820 mortes por câncer3 e 7.415 mortes no total. O maior quartil HOMA-IR9 foi associado à maior mortalidade4 específica por câncer3 (Q4 versus Q1, HR = 1,26, IC 95% = 1,09-1,47; Ptrend = 0,003) e mortalidade4 por todas as causas (Q4 versus Q1, HR = 1,63, IC 95% = 1,51-1,76; Ptrend <0,001).

Uma análise de sensibilidade para o status de diabetes11 não alterou os achados. Entre as mulheres com IMC12 <25 kg/m², maior quartil HOMA-IR9 foi associado à maior mortalidade4 por câncer3 (Fine e Gray13 P=0,004).

A alta resistência à insulina1, medida pelo HOMA-IR9, identifica mulheres na pós-menopausa7 com maior risco de mortalidade4 específica por câncer3 e por todas as causas que poderiam se beneficiar da intervenção precoce.

Leia também sobre "Glicemia de jejum14", "Comportamento da glicemia15", "Comportamento da glicose8" e "Diabetes11".

 

Fonte: JNCI - Journal of the National Cancer3 Institute, em 26 de abril de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Resistência à insulina e mortalidade específica por câncer e por todas as causas em mulheres na pós-menopausa: estudo Women’s Health Initiative. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1337673/resistencia-a-insulina-e-mortalidade-especifica-por-cancer-e-por-todas-as-causas-em-mulheres-na-pos-menopausa-estudo-women-s-health-initiative.htm>. Acesso em: 19 set. 2019.

Complementos

1 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
7 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
8 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
9 HOMA-IR: O cálculo do índice HOMA-IR, do inglês, Homeostatic Model Assessment , é feito com base nas dosagens de insulina e glicemia de jejum e ajuda a determinar o grau de resistência à insulina.
10 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
12 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Gray: Em radioterapia, a dose absorvida é medida em rad (do inglês radiation absorbed dose) e significa a energia (dose) realmente absorvida por um corpo específico. 1 rad equivale a 0,01 joules por kg. Atualmente usa-se o gray (Gy) para expressar dose absorvida no sistema internacional (SI), que corresponde a 100 rad (1 joule de energia para 1 kg de massa).
14 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
15 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
Gostou do artigo? Compartilhe!