Gostou do artigo? Compartilhe!

Stent ou endarterectomia para estenose carotídea sintomática? Quais são os resultados a longo prazo? Publicação do The Lancet Neurology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O risco de acidente vascular cerebral1 periprocedural ou morte é maior após o implante2 de stent na artéria3 carótida (CAS) do que após endarterectomia carotídea (CEA) para o tratamento da estenose4 carotídea sintomática5. No entanto, os resultados a longo prazo não foram suficientemente avaliados.

Para fazer tal análise, o professor Thomas G. Brott, do departamento de Neurologia da Mayo Clinic, nos EUA, e demais colaboradores realizaram uma análise conjunta de dados individuais em nível de pacientes, adquiridos dos quatro maiores ensaios clínicos6 randomizados controlados avaliando a eficácia relativa de CAS e CEA para o tratamento da estenose4 carotídea sintomática5, para avaliar os desfechos em longo prazo. Os estudos recebem os nomes em inglês "Endarterectomy versus Angioplasty in Patients with Symptomatic Severe Carotid Stenosis trial", "Stent-Protected Percutaneous Angioplasty of the Carotid Artery versus Endarterectomy Trial", "International Carotid Stenting Study" e "Carotid Revascularization Endarterectomy versus Stenting Trial".

O risco de AVC ipsilateral foi avaliado entre 121 dias e 1, 3, 5, 7, 9 e 10 anos após a randomização. O desfecho primário foi o risco composto de acidente vascular cerebral1 ou morte dentro de 120 dias após a randomização (risco periprocedural) ou acidente vascular cerebral1 ipsilateral subsequente até 10 anos após a randomização (risco pós-procedimento). As análises foram por intenção de tratar, com o risco de eventos calculados usando métodos de Kaplan-Meier e análise de riscos proporcionais de Cox com ajuste para julgamento.

Nos quatro estudos incluídos, 4.775 pacientes foram aleatoriamente designados, dos quais um total de 4.754 (99,6%) pacientes foram acompanhados por um máximo de 12,4 anos. 21 pacientes (0,4%) imediatamente retiraram o consentimento após a randomização e foram excluídos. A duração mediana do acompanhamento nos estudos variou de 2 a 6 anos.

129 eventos periprocedurais e 55 eventos pós-procedimento ocorreram em pacientes alocados no CEA, e 206 e 57 eventos, respectivamente, em pacientes alocados no CAS. Após o período periprocedural, as taxas anuais de AVC ipsilateral por pessoa-ano foram semelhantes para os dois tratamentos: 0,60% (IC 95% 0,46–0,79) para CEA e 0,64% (0,49–0,83) para CAS. No entanto, os riscos periprocedurais e pós-procedimento combinados favoreceram o CEA, com diferenças de tratamento em 1, 3, 5, 7 e 9 anos, todos variando entre 2,8% (1,1-4,4) e 4,1% (2,0-6,3).

Os resultados no período pós-procedimento após CAS e CEA foram semelhantes, sugerindo durabilidade clínica robusta para ambos os tratamentos. Embora os resultados a longo prazo (riscos periprocedurais e pós-procedimento combinados) continuem a favorecer a CEA, a similaridade das taxas pós-procedimento sugere que melhorias na segurança periprocedural da CAS poderiam fornecer resultados semelhantes dos dois procedimentos no futuro.

Saiba mais sobre "Obstrução da carótida", "Acidente vascular cerebral1" e "Stent".

 

Fonte: The Lancet Neurology, em 6 de fevereiro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Stent ou endarterectomia para estenose carotídea sintomática? Quais são os resultados a longo prazo? Publicação do The Lancet Neurology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1334633/stent-ou-endarterectomia-para-estenose-carotidea-sintomatica-quais-sao-os-resultados-a-longo-prazo-publicacao-do-the-lancet-neurology.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
3 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
4 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
5 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!