Gostou do artigo? Compartilhe!

Tai Chi Chuan reduz 58% das quedas entre idosos com alto risco de queda

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para idosos com alto risco de queda, uma intervenção com tai chi chuan terapeuticamente adaptada foi mais eficaz do que exercícios de alongamento ou exercícios multimodais na redução da incidência1 de quedas.

Saiba mais sobre "Benefícios do alongamento" e "Queda da própria altura".

As quedas em idosos são um grave problema de saúde2 pública associado a consequências irreversíveis para a saúde2 e responsáveis por uma carga econômica substancial nos sistemas de saúde2. No entanto, identificar as melhores escolhas entre as intervenções de prevenção de quedas baseadas em evidências é um desafio, uma vez que poucos dados comparativos de eficácia estão disponíveis.

Com o objetivo de determinar a efetividade de uma intervenção com tai chi chuan terapeuticamente adaptada, nomeada Tai Ji Quan: Moving for Better Balance (TJQMBB) e desenvolvida sobre o conceito clássico do Tai Ji (também conhecido como tai chi), em comparação a um programa de exercício multimodal (MME) e exercício de alongamento na redução de quedas entre idosos com alto risco de queda, foi realizado em um ensaio clínico randomizado3 (20 de fevereiro de 2015 a 30 de janeiro de 2018), em sete cidades urbanas e suburbanas do Oregon. De 1.147 adultos residentes na comunidade com 70 anos ou mais, selecionados para elegibilidade, 670 que haviam caído no ano anterior ou que tinham mobilidade reduzida consentiram e foram matriculados na pesquisa. Todas as análises utilizaram a atribuição de intenção de tratar.

Uma das três intervenções de exercício citadas foi utilizada: duas aulas de 60 minutos por semana durante 24 semanas de TJQMBB, envolvendo formas modificadas e exercícios de movimento terapêutico; MME, integrando atividades de equilíbrio, aeróbica, força e flexibilidade; ou exercícios de alongamento. A medida primária aos 6 meses foi a incidência1 de quedas.

Entre os 670 participantes randomizados, a média de idade foi de 77,7 anos, 436 (65%) eram mulheres, 617 (92,1%) eram brancos, 31 (4,6%) eram afro-americanos. Durante a avaliação, houve 152 quedas (85 indivíduos) no grupo TJQMBB, 218 (112 indivíduos) no grupo MME e 363 (127 indivíduos) no grupo dos alongamentos. Aos 6 meses, a taxa de incidência1 (TIR) foi significativamente menor nos grupos TJQMBB (TIR 0,42; IC 95% 0,31-0,56; P<0,001) e MME (TIR 0,60; IC 95%, 0,45-0,80); P=0,001) comparados ao grupo de alongamento. As quedas foram reduzidas em 31% para o grupo TJQMBB em comparação com o grupo MME (TIR 0,69; IC 95% 0,52-0,94; P=0,01).

Entre os idosos residentes na comunidade com alto risco de quedas, uma intervenção de treinamento de equilíbrio tai chi chuan terapeuticamente adaptado foi mais eficaz do que as abordagens convencionais de exercícios para reduzir a incidência1 de quedas, pois reduziu as quedas em 58% em comparação com o exercício de alongamento (intervenção controle) e em 31% comparado à intervenção de exercício multimodal.

Leia também sobre "Fraturas ósseas", "Osteoporose4", "Delirium5 ou estado confusional", "Cuidador de idosos" e "Exercite seu cérebro6".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, em outubro de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Tai Chi Chuan reduz 58% das quedas entre idosos com alto risco de queda. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1325428/tai-chi-chuan-reduz-58-das-quedas-entre-idosos-com-alto-risco-de-queda.htm>. Acesso em: 19 mar. 2019.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
5 Delirium: Alteração aguda da consciência ou da lucidez mental, provocado por uma causa orgânica. O delirium tem causa orgânica e cessa se a causa orgânica cessar. Ele pode acontecer nos traumas cranianos, nas infecções etc. Os exemplos mais típicos são o delirium do alcoólatra crônico e o delirium febril.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!