Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA Pediatrics: introdução precoce de alimentos sólidos pode ajudar a melhorar o sono infantil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Organização Mundial de Saúde1 recomenda a amamentação2 exclusiva por 6 meses. No entanto, 75% das mães britânicas apresentam alimentos sólidos a seus bebês3 antes dos 5 meses de idade e 26% relatam a vigília da criança à noite como fator que influencia nesta decisão.

O estudo The Enquiring About Tolerance foi um ensaio clínico randomizado4 de base populacional, realizado de 15 de janeiro de 2008 a 31 de agosto de 2015, que incluiu 1.303 bebês3 de 3 meses de idade amamentados exclusivamente ao seio5 na Inglaterra e no País de Gales. As consultas clínicas foram realizadas no St. Thomas' Hospital, em Londres, na Inglaterra, e o estudo avaliou a introdução precoce de sólidos na dieta infantil a partir dos 3 meses de idade com o objetivo de determinar se este fator influencia o sono infantil.

Saiba mais sobre "Amamentação2" e "Sono do bebê".

O grupo de introdução precoce (EIG) continuou a amamentar enquanto foram introduzidos alimentos não alergênicos e, em seguida, seis alimentos alergênicos. O grupo de introdução padrão (SIG) seguiu as diretrizes britânicas de alimentação infantil (isto é, amamentação2 exclusiva até por volta dos 6 meses e com orientação para evitar qualquer consumo alimentar durante este período).

O questionário padronizado de sono infantil, conhecido como Brief Infant Sleep Questionnaire, foi utilizado nas análises. Dos 1.303 bebês3 que foram incluídos no estudo Enquiring About Tolerance, 1.225 participantes (94%) completaram o questionário final de 3 anos (618 SIG [95%] e 607 EIG [93%]). A randomização foi eficaz e não houve diferenças significativas entre os dois grupos.

Após a introdução precoce de sólidos, os bebês3 do EIG dormiram significativamente mais e acordaram com menos frequência do que os bebês3 do SIG. As diferenças entre os dois grupos atingiram o pico aos 6 meses de idade. Nesse ponto, na análise por intenção de tratamento, os bebês3 do EIG dormiram por 16,6 minutos a mais (IC 95% 7,8 a 25,4) por noite e a frequência de despertar noturno diminuiu de 2,01 para 1,74 por noite. Clinicamente mais importante, os problemas de sono muito graves, significativamente associados à qualidade de vida materna, foram relatados com mais frequência no SIG do que no EIG (odds ratio 1,8; IC 95% 1,22 a 2,61).

Concluiu-se que, neste ensaio clínico randomizado4, a introdução precoce de sólidos na dieta do lactente6 foi associada a uma maior duração do sono, despertares noturnos menos frequentes e a uma redução nos problemas muito graves relacionados ao sono.

Veja também sobre "Aleitamento materno7: mitos, benefícios, dificuldades e soluções" e "Alimentação infantil".

 

Fonte: JAMA Pediatrics, publicação online, de 9 de julho de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. JAMA Pediatrics: introdução precoce de alimentos sólidos pode ajudar a melhorar o sono infantil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1321588/jama-pediatrics-introducao-precoce-de-alimentos-solidos-pode-ajudar-a-melhorar-o-sono-infantil.htm>. Acesso em: 16 jul. 2018.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
3 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Seio: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
7 Aleitamento Materno: Compreende todas as formas do lactente receber leite humano ou materno e o movimento social para a promoção, proteção e apoio à esta cultura. Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
Gostou do artigo? Compartilhe!