Gostou do artigo? Compartilhe!

Café pode ajudar na substituição das injeções de insulina no futuro

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A programação do comportamento celular usando interruptores genéticos indutíveis por gatilhos é essencial para a biologia sintética. Embora tenha havido progresso significativo na expressão do transgene induzida por gatilho, o controle remoto de transgenes livre de efeitos colaterais1 continua a desafiar as terapias baseadas em células2.

Neste estudo, realizado pelo Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Zurique, utilizando um anticorpo3 de domínio único que se liga à cafeína, os pesquisadores estabeleceram um sistema de dimerização de proteína induzível por cafeína, ativando fatores de transcrição sintéticos e receptores de superfície celular que permitem a expressão do transgene em resposta a concentrações fisiologicamente relevantes de cafeína geradas pela ingestão rotineira de bebidas como café e chá.

Café contendo diferentes concentrações de cafeína controlou de forma dose-dependente e reversível a expressão do transgene por células2 projetadas com esse sistema de reguladores avançados estimulado por cafeína (C-STAR).

Ratos com diabetes tipo 24 implantados com células2 microencapsuladas equipadas com C-STAR para expressão sensível à cafeína do peptídeo semelhante ao glucagon5 1 mostraram uma homeostase da glicose6 substancialmente melhorada após o consumo de café, em comparação com ratos não tratados.

O controle da produção biofarmacêutica pela cafeína, que não é tóxica, é barata e presente apenas em bebidas específicas, deve melhorar a adesão do paciente ao integrar a terapia ao estilo de vida.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus7".

 

Fonte: Nature Communications, publicado em 19 de junho de 2018.

 

NEWS.MED.BR, 2018. Café pode ajudar na substituição das injeções de insulina no futuro. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1320718/cafe-pode-ajudar-na-substituicao-das-injecoes-de-insulina-no-futuro.htm>. Acesso em: 25 set. 2018.

Complementos

1 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!