Gostou do artigo? Compartilhe!

BJOG: posições de sono da mãe podem influenciar na mortalidade fetal tardia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de relatar se as práticas de sono materno têm influência na mortalidade1 fetal tardia, foi realizado um estudo com publicação online pelo British Journal of Obstetrics and Gynaecology (BJOG).

O estudo prospectivo2 de casos e controles, com mulheres que tiveram uma morte fetal após ≥ 28 semanas de gestação (n=291) e mulheres com gravidez3 em curso no momento da entrevista (n=733), foi feito em quarenta e uma maternidades no Reino Unido.

Os dados foram coletados usando um questionário administrado por entrevistador que incluía perguntas sobre práticas de sono materno antes da gravidez3, nas quatro semanas anteriores ao parto e na noite anterior à entrevista/natimortalidade.

Leia sobre "Teste de gravidez3".

Na análise multivariada, a posição de decúbito dorsal4 na noite anterior à morte apresentou um risco 2,3 vezes maior de mortalidade1 fetal tardia em comparação com o decúbito lateral5 esquerdo. Além disso, as mulheres que tiveram um natimorto foram mais propensas a relatar duração do sono inferior a 5,5 horas na noite anterior ao natimorto, levantar para ir ao banheiro uma vez ou menos e uma cochilada diurna todos os dias. Não foi detectada nenhuma interação entre a posição supina (decúbito dorsal4) e um bebê pequeno para a idade gestacional, índice de massa corporal6 materna ou idade gestacional. O risco atribuível à população para dormir em decúbito7 supino foi de 3,7%.

Este estudo confirma que a posição de decúbito dorsal4 está associada à morte fetal tardia. É necessário um trabalho adicional para determinar se intervenção(ões) pode(em) diminuir a frequência da posição de decúbito dorsal4 e a incidência8 de morte fetal tardia.

Veja também sobre "Ultrassonografia9 na gravidez3", "Gravidez3 de risco", "Teste de Apgar" e "Hipóxia10 neonatal".

 

Fonte: British Journal of Obstetrics and Gynaecology (BJOG), publicação online de 20 de novembro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. BJOG: posições de sono da mãe podem influenciar na mortalidade fetal tardia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1307163/bjog-posicoes-de-sono-da-mae-podem-influenciar-na-mortalidade-fetal-tardia.htm>. Acesso em: 17 nov. 2019.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Decúbito dorsal: Também conhecido como posição SUPINA. A pessoa fica deitada de costas com a cabeça e os ombros ligeiramente elevados, com a barriga voltada para cima.
5 Decúbito lateral: O corpo está deitado de lado. Direito ou esquerdo.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 Decúbito: 1. Atitude do corpo em repouso em um plano horizontal. 2. Na história da medicina, é o momento em que o paciente é levado a deitar-se devido à doença.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
10 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!