Gostou do artigo? Compartilhe!

"Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV 2006": baixe aqui o guia de tratamento recém-lançado pelo Ministério da Saúde para médicos que atuam na

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O Ministério da Saúde1 está lançando a publicação "Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV2 2006", voltada para médicos que atuam na área. Os objetivos são definir condutas terapêuticas seguras, descartando as combinações não recomendáveis de medicamentos e facilitar a logística de programação, aquisição, distribuição e controle de anti-retrovirais para garantir a continuidade do tratamento.

A primeira edição do documento foi publicada em 1994. Uma das novidades desta edição são indicações e restrições sobre vacinas para pessoas que vivem com HIV2/aids. A publicação explica, por exemplo, que adolescentes e adultos sem alterações imunológicas devem receber todas as doses disponíveis e recomendadas no calendário nacional de vacinas. Entre os pacientes que apresentam debilidade no sistema imunológico3 sugere-se a avaliação individual entre os riscos e os benefícios das vacinas com agentes vivos ou atenuados, como febre amarela4, poliomielite5, sarampo6 e varicela7. No caso dos soropositivos com o sistema imunológico3 gravemente comprometido, não se recomenda esse tipo de imunização8.

Pela primeira vez, também estão disponíveis os preços unitários dos anti-retrovirais distribuídos no país. Além disso, "Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV2 2006" mostra a interação dos anti-retrovirais com alimentos, efeitos colaterais9 da medicação e orienta o que deve ser feito em caso de exposição acidental ou por meio de violência ao vírus10 da aids.

Tratamento - O principal objetivo da terapia anti-retroviral é retardar o impacto do vírus10 na imunidade11 do organismo, o que aumenta o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV2/aids. A terapia fornecida pelo Ministério da Saúde1 conta com 17 medicamentos divididos em quatro classes: inibidores de transcriptase reversa análogos de nucleosídeos; inibidores de transcriptase reversa não-análogos de nucleosídeos; inibidores de protease; e inibidores de fusão. As funções dessas classes são, respectivamente, impedir que o vírus10 se reproduza, bloquear a ação da enzima12, barrar a produção de novas células13 infectadas pelo HIV2 e interromper a entrada do HIV2 na célula14.

Fonte
Ministério da Saúde1

Mais informações
Programa Nacional de DST e Aids

 

 
NEWS.MED.BR, 2006. "Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV 2006": baixe aqui o guia de tratamento recém-lançado pelo Ministério da Saúde para médicos que atuam na. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1301/quot-recomendacoes-para-terapia-anti-retroviral-em-adultos-e-adolescentes-infectados-pelo-hiv-2006-quot-baixe-aqui-o-guia-de-tratamento-recem-lancado-pelo-ministerio-da-saude-para-medicos-que-atuam-na.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
3 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
4 Febre Amarela: Doença infecciosa aguda, de curta duração (no máximo 10 dias), gravidade variável, causada pelo vírus da febre amarela, que ocorre na América do Sul e na África. Os sintomas são: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina). A única forma de prevenção é a vacinação contra a doença.
5 Poliomielite: Doença viral que afeta as raízes anteriores dos nervos motores, produzindo paralisia especialmente em crianças pequenas e adolescentes. Sua incidência tem diminuído muito graças ao descobrimento de uma vacina altamente eficaz (Sabin), e de seu uso difundido no mundo inteiro.
6 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
7 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
8 Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
9 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
10 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
11 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
12 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
13 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
14 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
 
Gostou do artigo? Compartilhe!