Gostou do artigo? Compartilhe!

Azeite extra-virgem na prevenção do Alzheimer, publicado pelo Annals of Clinical and Translational Neurology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo, publicado online pelo Annals of Clinical and Translational Neurology, foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Temple, na Pensilvânia, e sugere que é o componente do azeite extra-virgem na dieta mediterrânea1 que provavelmente promove o envelhecimento saudável do cérebro2.

Este estudo é a primeira demonstração de que o óleo de oliva extra-virgem (OOEV) pode afetar de forma benéfica a memória, as placas3 amilóides e a patologia4 da proteína tau, lesões5 marcantes no cérebro2 de pacientes com Alzheimer6, segundo o coordenador da pesquisa, Domenico Pratico, professor de farmacologia7 e microbiologia do Center for Translational Medicine, Lewis Katz School of Medicine, Temple University. Ele ainda acrescenta que os dados são importantes o suficiente para encorajar as pessoas a consumirem maiores quantidades de OOEV, uma vez que ele já é consumido por pelo menos 2000 anos, sem quaisquer efeitos colaterais8.

Saiba mais sobre "Dieta mediterrânea1", "Mal de Alzheimer6" e "Envelhecimento saudável".

Para o estudo, os investigadores testaram os efeitos potencialmente benéficos do OOEV em ratinhos transgênicos triplos (3xTg). Esses ratos foram especificamente criados para desenvolver características patológicas fundamentais da DA, incluindo placas3 amiloides e emaranhados neurofibrilares9 com proteína Tau.

Os animais foram divididos em dois grupos. Um grupo recebeu uma comida enriquecida em OOEV e o outro recebeu comida regular sem OOEV. O óleo de oliva foi introduzido na dieta quando os ratos tinham 6 meses de idade, antes que eles começassem a desenvolver sintomas10 da DA. Aos 6 meses, todos os animais foram avaliados quanto ao seu desempenho comportamental em uma série de testes, a fim de se estabelecer o parâmetro de referência.

No geral, não foram observadas diferenças estatisticamente significativas entre os dois grupos de camundongos durante o estudo, com exceção do período de 10 meses quando os animais tratados apresentaram maior peso corporal do que os não tratados, afirmam os pesquisadores.

Os ratos foram submetidos aos mesmos testes comportamentais aos 9 e 12 meses de idade, após o que foram sacrificados e seus cérebros examinados quanto à presença de características patológicas fundamentais da DA.

Os pesquisadores confirmaram que os ratos alimentados com a dieta enriquecida com OOEV apresentaram desempenho significativamente maior aos 9 e 12 meses em testes para avaliar memória de trabalho, memória espacial e habilidades de aprendizado, em comparação com ratos alimentados com comida regular.

Além disso, eles tiveram uma redução estatisticamente significativa nos níveis e deposição cerebral de peptídeos Aβ insolúveis, menor quantidade de proteína tau fosforilada em epítopos específicos, que foram secundários a uma ativação da autofagia das células nervosas11. A autofagia é um mecanismo pelo qual as células12 digerem proteínas13 que são produzidas em excesso ou que são anormais. Neste modelo animal particular, a autofagia digere e se livra de ambas as placas3 amilóide e de tau fosforilada.

Os pesquisadores também examinaram se as melhorias no desempenho cognitivo14 e na patologia4 do cérebro2 que foram observadas em ratos tratados com OOEV podem ser o resultado de uma melhora na integridade sináptica. Mais uma vez, eles encontraram maior preservação na integridade das sinapses entre os neurônios15 em ratos alimentados com OOEV em comparação com os controles.

Leia também: "Como melhorar a sua memória?" e "Exercite seu cérebro2".

 

Fonte: Annals of Clinical and Translational Neurology, publicação o nline de 21 de junho de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Azeite extra-virgem na prevenção do Alzheimer, publicado pelo Annals of Clinical and Translational Neurology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1299848/azeite-extra-virgem-na-prevencao-do-alzheimer-publicado-pelo-annals-of-clinical-and-translational-neurology.htm>. Acesso em: 13 dez. 2018.

Complementos

1 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
4 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
5 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
7 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
8 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
9 Emaranhados Neurofibrilares: Estruturas anormais (localizadas em várias partes do cérebro) compostas por arranjos densos de filamentos helicoidais pareados (neurofilamentos e microtúbulos). Estes empilhamentos helicoidais (duplas hélices) de subunidades transversas, apresentam-se em filamentos (semelhantes a fitas retorcidas para a esquerda) que provavelmente incorporam as seguintes proteínas
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Células Nervosas: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
14 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
15 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
Gostou do artigo? Compartilhe!