Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento da baixa densidade óssea e da osteoporose para prevenção de fraturas: prática clínica do American College of Physicians

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Esta diretriz atualiza as recomendações do American College of Physicians (ACP) de 2008 sobre o tratamento da baixa densidade óssea e osteoporose1 para prevenir fraturas em homens e mulheres. Este direcionamento é endossado pela American Academy of Family Physicians.

O Comitê de Orientações Clínicas do ACP baseou estas recomendações numa revisão sistemática de ensaios clínicos2 randomizados e controlados, revisões sistemáticas, grandes estudos observacionais (para eventos adversos) e relatos de casos (para eventos raros), publicados entre 2 de janeiro de 2005 e 3 de junho de 2011.

A revisão foi atualizada em julho de 2016 utilizando um método de aprendizagem mecânico e foi efetuada uma atualização limitada até outubro de 2016. Os desfechos clínicos avaliados foram fraturas e eventos adversos. Esta orientação centra-se nos benefícios comparativos e riscos de tratamentos farmacológicos de curto e longo prazos para a baixa densidade óssea, incluindo prescrições farmacêuticas, cálcio, vitamina3 D e estrogênio. As evidências foram classificadas de acordo com o sistema GRADE (Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation).

Saiba mais sobre "Osteoporose1", "Fratura4 ósseas" e "Deficiência de vitamina3 D".

O público-alvo para esta diretriz inclui todos os clínicos. A população alvo de doentes inclui homens e mulheres com baixa densidade óssea ou osteoporose1.

Recomendação 1:

A ACP recomenda que os clínicos ofereçam tratamento farmacológico com alendronato, risedronato, ácido zoledrônico ou denosumab para reduzir o risco de fraturas de quadril e vertebral em mulheres com osteoporose1. (Grau: recomendação forte, evidência de alta qualidade).

Recomendação 2:

A ACP recomenda que os médicos tratem as mulheres osteoporóticas com terapia farmacológica por 5 anos. (Grau: recomendação fraca, evidência de baixa qualidade).

Recomendação 3:

A ACP recomenda que os clínicos ofereçam tratamento farmacológico com bifosfonatos para reduzir o risco de fratura4 vertebral em homens com osteoporose1 clinicamente reconhecida. (Grau: recomendação fraca, evidência de baixa qualidade).

Recomendação 4:

A recomendação da ACP é contra a monitorização da densidade óssea durante o período de 5 anos de tratamento farmacológico para osteoporose1 em mulheres. (Grau: recomendação fraca, evidência de baixa qualidade).

Recomendação 5:

A recomendação da ACP é contra o uso de terapia com estrogênio na menopausa5 ou terapia com estrogênio mais progesterona na menopausa5 ou raloxifeno para o tratamento da osteoporose1 em mulheres. (Grau: recomendação forte, evidência de qualidade moderada).

Recomendação 6:

A ACP recomenda que os clínicos tomem a decisão de tratar mulheres osteopênicas com idade igual ou superior a 65 anos, que estejam em alto risco de fratura4, com base na discussão das preferências do paciente, do perfil de risco de fratura4 e dos benefícios, danos e custos dos medicamentos. (Grau: recomendação fraca, evidência de baixa qualidade).

Leia também sobre "Causas da Osteoporose1", "Densitometria6 óssea", "Menopausa5" e "Prevenção da ospeoporose".

 

Fonte: Annals of Internal Medicine, de 9 de maio de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Tratamento da baixa densidade óssea e da osteoporose para prevenção de fraturas: prática clínica do American College of Physicians. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1297528/tratamento-da-baixa-densidade-ossea-e-da-osteoporose-para-prevencao-de-fraturas-pratica-clinica-do-american-college-of-physicians.htm>. Acesso em: 16 set. 2019.

Complementos

1 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
5 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
6 Densitometria: Medição de densidade óptica em chapas fotográficas.
Gostou do artigo? Compartilhe!