Gostou do artigo? Compartilhe!

HbA1c pode prever o risco de diabetes tipo 2 em crianças e adultos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dados de longo prazo que validam a hemoglobina glicada1 (HbA1c2) como exame para avaliação do risco de diabetes tipo 23 em crianças são ainda limitados. As concentrações de HbA1c2, glicose4 plasmática em jejum (FPG) e de glicemia pós-prandial5 (2hPG) foram medidas em um estudo longitudinal com índios americanos para determinar sua utilidade na predição de diabetes6 incidente7, sendo todos considerados de tipo 2 nessa população.

O diabetes6 incidente7 (FPG ≥126 mg/dL8 [7,0 mmol/L9], 2hPG ≥200 mg/dL8 [11,1 mmol/L9], HbA1c2 ≥6,5% [8 mmol/mol] ou diagnóstico10 clínico) foi determinado em 2.095 crianças sem diabetes6, com idades entre 10 e 19 anos, monitoradas até a idade de 39 anos; e em 2.005 adultos, de 20 a 39 anos, monitorados até a idade de 59 anos. Áreas sob a curva ROC (receiver operator characteristic curve) para HbA1c2, FPG e 2hPG, na predição de diabetes6 em 10 anos, foram comparadas.

Durante o longo prazo de acompanhamento de crianças e adolescentes que não tinham inicialmente diabetes6, a taxa de incidência11 de diabetes6 subsequente foi quatro vezes maior (em comparação com meninos) e sete vezes maior (em comparação com meninas) naqueles com HbA1c2 ≥ 5,7% do que naqueles com taxas de HbA1c2 ≤ 5,3% – maior que a experimentada por adultos nas mesmas categorias de HbA1c2. As análises da curva ROC não revelaram diferenças significativas entre HbA1c2, FPG e 2hPG em sensibilidade e em especificidade para identificar crianças e adolescentes que mais tarde desenvolveram diabetes6.

Concluiu-se que a HbA1c2 é um exame útil para prever o risco de diabetes6 em crianças e pode ser usada para identificar pré-diabetes12 em crianças com outros fatores de risco para diabetes tipo 23 com o mesmo valor preditivo da FPG e da 2hPG.

Veja mais em "Diabetes Mellitus13. Saiba mais.", "Glicemia de jejum14", "Glicemia15 média estimada (Hemoglobina glicosilada16)", "Glicemia pós-prandial5" e "O que afeta o comportamento da sua glicemia15?"

Fonte: Diabetes6 Care (American Diabetes6 Association), em janeiro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. HbA1c pode prever o risco de diabetes tipo 2 em crianças e adultos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1284558/hba1c-pode-prever-o-risco-de-diabetes-tipo-2-em-criancas-e-adultos.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.

Complementos

1 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
2 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
3 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
4 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
5 Glicemia pós-prandial: Teste de glicose feito entre 1 a 2 horas após refeição.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
8 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
9 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
12 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
13 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
14 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
15 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
16 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
Gostou do artigo? Compartilhe!