Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento farmacológico do Diabetes Mellitus tipo 2: atualização do protocolo clínico do American College of Physicians

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O American College of Physicians (ACP) desenvolveu esta diretriz para apresentar as evidências e fornecer as recomendações clínicas sobre o tratamento farmacológico oral do diabetes1 tipo 2 em adultos. Esta orientação serve como uma atualização da directriz ACP 2012 sobre o mesmo tema e é endossada pela Academia Americana de Médicos de Família.

Com base em uma revisão sistemática de ensaios clínicos2 randomizados e controlados e estudos observacionais publicados até dezembro de 2015, sobre a eficácia comparativa dos medicamentos orais para o diabetes1 tipo 2, foi publicada esta nova diretriz de tratamento. As intervenções avaliadas incluíram o uso de metformina3, tiazolidinedionas, sulfonilureias4, inibidores da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4) e inibidores do co-transportador de sódio-glicose5 2 (SGLT-2). A qualidade do estudo foi avaliada, os dados foram extraídos e os resultados foram resumidos qualitativamente com base na totalidade das evidências identificadas pelo uso de várias bases de dados. Os resultados avaliados incluíram resultados intermediários da hemoglobina6 A1C7, peso corporal, pressão arterial sistólica8, frequência cardíaca, mortalidade9 por todas as causas, morbidade10 e mortalidade9 cardiovasculares e cerebrovasculares, retinopatia, nefropatia11neuropatia12 e outros danos. Esta diretriz classifica as recomendações usando o sistema GRADE (Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation).

O público-alvo desta orientação inclui todos os médicos clínicos e a população-alvo de adultos com diabetes1 tipo 2.

Recomendação 1: A ACP recomenda que os médicos prescrevam metformina3 a pacientes com diabetes1 tipo 2 quando a terapia farmacológica é necessária para melhorar o controle glicêmico, a não ser que exista alguma contraindicação ao seu uso. (Grau: recomendação forte, evidência de qualidade moderada).

Recomendação 2: A ACP recomenda que os médicos considerem a adição de uma sulfonilureia, uma tiazolidinediona, um inibidor SGLT-2 ou um inibidor da DPP-4 à metformina3 para melhorar o controle glicêmico, quando for necessário considerar uma segunda terapia oral. (Grau: recomendação fraca, evidência de qualidade moderada.) A ACP recomenda que os médicos e pacientes escolham entre os medicamentos após discutirem os benefícios, os efeitos adversos e os custos envolvidos no tratamento.

Veja também "Diabetes Mellitus13. Saiba mais", "Cinco atitudes saudáveis para evitar o diabetes mellitus13 tipo 2", "O que afeta o comportamento da sua glicemia14?" e "Prevenindo o Diabetes Mellitus13 e suas Complicações".

Fonte: Annnals of Internal Medicine, em 3 de janeiro de 2017

Confira o pdf. completo em: “Oral Pharmacologic Treatment of Type 2 Diabetes Mellitus13: A Clinical Practice Guideline Update From the American College of Physicians”.

 

NEWS.MED.BR, 2017. Tratamento farmacológico do Diabetes Mellitus tipo 2: atualização do protocolo clínico do American College of Physicians. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1284268/tratamento-farmacologico-do-diabetes-mellitus-tipo-2-atualizacao-do-protocolo-clinico-do-american-college-of-physicians.htm>. Acesso em: 19 ago. 2019.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
4 Sulfoniluréias: Classe de medicamentos orais para tratar o diabetes tipo 2 que reduz a glicemia por ajudar o pâncreas a fabricar mais insulina e o organismo a usar melhor a insulina produzida.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
7 A1C: O exame da Hemoglobina Glicada (A1C) ou Hemoglobina Glicosilada é um teste laboratorial de grande importância na avaliação do controle do diabetes. Ele mostra o comportamento da glicemia em um período anterior ao teste de 60 a 90 dias, possibilitando verificar se o controle glicêmico foi efetivo neste período. Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada. O valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia, nefropatia e neuropatia).
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
10 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
11 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
12 Neuropatia: Doença do sistema nervoso. As três principais formas de neuropatia em pessoas diabéticas são a neuropatia periférica, neuropatia autonômica e mononeuropatia. A forma mais comum é a neuropatia periférica, que afeta principalmente pernas e pés.
13 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
14 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
Gostou do artigo? Compartilhe!