Gostou do artigo? Compartilhe!

Sauna pode ajudar a evitar demência e doença de Alzheimer em homens, segundo estudo finlandês

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Saúde1 Pública e Nutrição2 Clínica, da Universidade da Finlândia Oriental, e da School of Clinical Sciences, na Universidade de Bristol, no Reino Unido, avaliou se os banhos de sauna estão ou não associados a doenças da memória.

Não existem estudos anteriores ligando a exposição repetida ao calor da sauna ao risco de doenças da memória. Com o presente estudo, pretendeu-se investigar se a frequência de banhos de sauna está associada ao risco de demência3 e doença de Alzheimer4.

O estudo de coorte5 populacional, prospectivo6, publicado pelo periódico Age and Ageing e conhecido como Kuopio Ischaemic Heart Disease, foi baseado em uma população de 2.315 homens, aparentemente saudáveis, com idades entre 42 e 60 anos, com exames de linha de base conduzidos entre 1984 e 1989. O risco relativo (RR) com intervalos de confiança (IC) de 95% para demência3 e doença de Alzheimer4 foram determinados usando a modelagem de regressão de Cox com ajuste para potenciais fatores de confusão.

Os resultados durante uma mediana de seguimento de 20,7 (intervalo interquartil 18,1-22,6) anos mostram um registro total de 204 e 123 casos diagnosticados de demência3 e doença de Alzheimer4, respectivamente. Na análise ajustada para idade, consumo de álcool, índice de massa corporal7, pressão arterial sistólica8, tabagismo, diabetes tipo 29, infarto do miocárdio10 prévio, frequência cardíaca de repouso e LDL11-colesterol12, em comparação com homens com apenas uma sessão de sauna por semana, o RR para demência3 foi de 0,78 (IC 95%: 0,57-1,06) para 2-3 sessões de banho de sauna por semana e 0,34 (IC 95%: 0,16-0,71) para 4-7 sessões de banho de sauna por semana. Os RRs correspondentes para a doença de Alzheimer4 foram 0,80 (IC 95%: 0,53-1,20) e 0,35 (IC 95%: 0,14-0,90).

As conclusões mostram que nesta população masculina, frequências moderadas e altas de banhos de sauna foram associadas a menores riscos de demência3 e doença de Alzheimer4. No entanto, outros estudos são necessários para estabelecer os mecanismos potenciais que ligam o banho de sauna à possível proteção contra doenças da memória.

Leia mais em "Demência3: conceito, causas, fisiopatologia13, sintomas14, diagnóstico15, tratamento, prevenção, evolução, complicações" e "Mal de Alzheimer16. Como ele é?"

Fonte: Age and Ageing (British Geriatrics Society, publicação online de 7 de dezembro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2017. Sauna pode ajudar a evitar demência e doença de Alzheimer em homens, segundo estudo finlandês. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1284133/sauna-pode-ajudar-a-evitar-demencia-e-doenca-de-alzheimer-em-homens-segundo-estudo-finlandes.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
9 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
10 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
11 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
12 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
13 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
16 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!