Gostou do artigo? Compartilhe!

Hipotensão ortostática e o risco de demência: um estudo de base populacional publicado pelo PLOS Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hipotensão1 ortostática (HO) é uma causa comum de hipoperfusão cerebral transitória na população. A hipoperfusão cerebral é amplamente associada à deterioração cognitiva2, mas se a HO contribui para o declínio cognitivo3 e para a demência4 ainda não se sabe. O objetivo dos pesquisadores do Brain Heart Connection Collaborative Research Group neste estudo foi determinar a associação entre HO e o risco de desenvolver demência4 na população em geral.

Leia mais sobre "Hipotensão1 ortostática" e "Demência4".

Entre 4 de outubro de 1989 e 17 de junho de 1993, foram avaliados dados de pacientes com hipotensão1 ortostática (HO) não dementes, que não tinham sofrido acidente vascular cerebral5 e que faziam parte do estudo de base populacional holandesa, conhecido como Rotterdam Study. A HO foi definida como uma queda ≥20 mmHg na pressão arterial sistólica6 (PAS) ou uma queda ≥10 mmHg na pressão arterial diastólica7 (PAD) dentro de 3 minutos da mudança postural. Também se calculou a variabilidade na PAS relacionada à mudança postural, expresso por coeficiente de variação.

O acompanhamento para a demência4 foi conduzido até 1° de Janeiro de 2014. Determinou-se o risco de demência4 em relação à HO e à variabilidade na PAS, utilizando um modelo de regressão de Cox, ajustado para idade, sexo, condição de fumante, ingestão de álcool, PAS, PAD, colesterol8, proporção de lipoproteína de alta densidade, diabetes9, índice de massa corporal10, uso de anti-hipertensivo, hipolipemiantes ou medicação anticolinérgica, e genótipos da apolipoproteína E. Finalmente, os pesquisadores exploraram se as associações variaram de acordo com aumento compensatório da frequência cardíaca.

Entre 6.204 participantes (média de idade de 68,5 ± 8,6 anos; 59,7% do sexo feminino), com um seguimento médio de 15,3 anos, 1.176 desenvolveram demência4, dos quais 935 (79,5%) tinham doença de Alzheimer11 e 95 (8,1%) tinham demência4 vascular12. A HO foi associada com um aumento do risco de demência4, o que foi semelhante para a doença de Alzheimer11 e para a demência4 vascular12. Da mesma forma, uma maior variabilidade da PAS com a mudança postural foi associada a um risco aumentado de demência4, o que foi semelhante ao excluir aqueles que preenchiam os critérios formais para HO. O risco de demência4 foi particularmente aumentado em pessoas com HO a quem faltava um aumento compensatório da frequência cardíaca.

Veja também sobre "AVC", "Colesterol8", "Diabetes9", "IMC13" e "Alzheimer14".

As limitações deste estudo incluem potencial confusão residual apesar dos ajustes rigorosos e generalizações potencialmente limitadas para populações de ascendência não europeia.

Concluiu-se que nesta população predominantemente de origem europeia, a HO foi associada a um aumento no risco de demência4 no longo prazo.

 

Fonte: PLOS Medicine, em 11 de outubro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Hipotensão ortostática e o risco de demência: um estudo de base populacional publicado pelo PLOS Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1278918/hipotensao-ortostatica-e-o-risco-de-demencia-um-estudo-de-base-populacional-publicado-pelo-plos-medicine.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
2 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
7 Pressão arterial diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
8 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
11 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
12 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
13 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
14 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!