Gostou do artigo? Compartilhe!

Neurônios podem participar dos mecanismos que levam ao desenvolvimento de diabetes, segundo artigo publicado na Nature

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia
Estudo publicado na revista científica Nature por pesquisadores do Centro Médico Beth Israel Deaconess, da Universidade de Harvard, conclui que neurônios1 de cobaias apresentam uma função de controle dos níveis de açúcar2 no sangue3, semelhante ao que ocorre nas células4 do pâncreas5.


Há um grupo de neurônios1 conhecidos por sua sensibilidade à glicose6. Eles ficam "excitados" na presença de glicose6 e desencadeiam um processo para restabelecer a normalidade. A equipe liderada por Bradford Lowell, da Escola Médica de Harvard, descobriu essa função ao trabalhar com camundongos geneticamente modificados para que esse grupo de neurônios1 não funcionasse adequadamente. Na presença de glicose6, os animais deixaram de processá-la corretamente e apresentaram intolerância ao açúcar2 – período conhecido como pré-diabetes7.


Em outro experimento, a equipe avaliou camundongos obesos e observou que uma dieta rica em gorduras faz com que as cobaias percam a habilidade de sentir as mudanças no nível de glicose6.

 

O problema parece estar em uma proteína conhecida como UCP2, que regula negativamente a sensibilidade dos neurônios1 à glicose6. O excesso de gordura8 aparentemente faz aumentar a presença dessa proteína.


O estudo traz a hipótese da participação neuronal nos mecanismos que levam ao diabetes9 e um melhor entendimento deste processo pode ajudar no desenvolvimento de medicamentos para a doença.


Fonte: Nature


NEWS.MED.BR, 2007. Neurônios podem participar dos mecanismos que levam ao desenvolvimento de diabetes, segundo artigo publicado na Nature. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/11683/neuronios-podem-participar-dos-mecanismos-que-levam-ao-desenvolvimento-de-diabetes-segundo-artigo-publicado-na-nature.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
8 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
Gostou do artigo? Compartilhe!