Gostou do artigo? Compartilhe!

Oklahoma Medical Research Foundation (OMRF): será que o DNA determina a felicidade?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O DNA determina características como a cor dos olhos1 e a nossa altura, bem como a susceptibilidade2 a determinadas doenças. Será que também influencia a felicidade? "Sim, pode influenciar, mas isso não é tudo que existe para ela", esta é a resposta do cientista da Oklahoma Medical Research Foundation (OMRF), Christopher Lessard, Ph.D.

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo estudaram gêmeos fraternos e idênticos e descobriram que a genética é responsável por cerca de metade da nossa felicidade. Isso inclui características como ser descontraído, bem como a criação de produtos químicos no organismo usados para influenciar a felicidade, tais como endorfina, serotonina, dopamina3 e ocitocina4.

"Quando as pessoas falam sobre uma sensação de bem-estar natural", o que elas realmente querem dizer é que "há uma reação química do organismo para algo que elas fizeram", disse ele. "E, como tudo o mais que o corpo cria, também os produtos químicos e como responder a eles são influenciados pelo DNA."

Quase todas as células5 do corpo humano6 contém um núcleo que contém o ácido desoxirribonucleico ou DNA. As células5 acessam o DNA, é quase como ir a uma Intranet pessoal para encontrar instruções sobre como se comportar, quais proteínas7 criar e mesmo quando morrer.

"O DNA influencia traços como a nossa altura, mas isso é apenas parte da história", disse Lessard. "Nossos genes definem um leque de opções. Vários outros fatores, incluindo alimentação e meio ambiente, afetam o resultado final. O mesmo é verdadeiro para a felicidade."

Um estudo com mais de 2.500 norte-americanos realizado por pesquisadores em Londres reconheceu o gene 5-HTT, que afeta o fluxo de serotonina no corpo. Aqueles com uma versão mais longa do gene podem liberar e processar uma quantidade maior de serotonina do que aqueles com a variante mais curta. Como resultado, as pessoas com uma ou duas cópias longas do gene 5-HTT já relataram níveis mais elevados de satisfação global com a vida.

"Eu acho que a genética desempenha um papel em quase tudo", disse Lessard. "Dito isto, mesmo que alguns genes criem mais ou menos dos produtos químicos necessários para a felicidade, ainda temos um nível de controle. Algumas pessoas são geneticamente mais suscetíveis à diabetes8 ou à obesidade9, mas podem fazer escolhas que afetam o modo como os seus genes respondem."

O mesmo pode ser verdade para a felicidade, disse ele. Os sociólogos descobriram que as pessoas mais felizes tendem a ser aquelas que dormem tranquilamente, fazem exercícios físicos, são voluntários em causas pelas quais elas se apaixonam e encontram significado em seu trabalho.

"Nosso DNA pode definir o nosso espectro de felicidade, mas as decisões que tomamos determinam onde nós nos situamos neste espectro", disse Lessard. "Os genes 5-HTT longos só podem tornar este trabalho um pouco mais fácil."

Fonte: Oklahoma Medical Research Foundation (OMRF), de 20 de junho de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Oklahoma Medical Research Foundation (OMRF): será que o DNA determina a felicidade?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/553197/oklahoma-medical-research-foundation-omrf-sera-que-o-dna-determina-a-felicidade.htm>. Acesso em: 21 mai. 2019.

Complementos

1 Olhos:
2 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
3 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
4 Ocitocina: Hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na hipófise posterior (neuro-hipófise). Tem a função de promover as contrações uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!