Atalho: 6JOBZB2
Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA aprova o Truvada, primeiro medicamento para prevenção do HIV

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pela primeira vez, o FDA aprovou um medicamento para a prevenção do HIV1 (vírus2 da imunodeficiência3 adquirida ou AIDS). O Truvada está indicado para adultos soronegativos, mas que estão em risco de infecção4. O medicamento deve ser tomado uma vez ao dia e usado em combinação com práticas de sexo seguro para reduzir a transmissão sexual do HIV1.

Em dois grandes ensaios clínicos5, o uso diário de Truvada reduziu significativamente o risco de infecção4 por HIV1. A redução foi de 42% em um estudo patrocinado pelo National Institutes of Health (NIH), em cerca de 2.500 homens soronegativos homossexuais ou bissexuais e mulheres transexuais, e de 75 % em um outro estudo patrocinado pela Universidade de Washington, em cerca de 4.800 casais heterossexuais em que um parceiro era HIV1 positivo e o outro não.

Debra Birnkrant, diretora da Divisão de Produtos Antivirais do FDA, explica que o Truvada previne o estabelecimento e multiplicação do HIV1 no organismo. Ela observa que, enquanto este é um novo uso aprovado, Truvada não é um novo produto. Ele foi aprovado pelo FDA em 2004 para uso em combinação com outros medicamentos para tratar adultos infectados pelo HIV1 e crianças com mais de 12 anos.

Birnkrant salienta que o Truvada é para ser usado como parte de um plano abrangente de prevenção do HIV1, o qual inclui o uso consistente e correto de preservativo, aconselhamento para redução de risco, testes regulares de HIV1 e o tratamento de outras infecções6 sexualmente transmissíveis.

O Truvada é produzido pela Gilead Sciences Inc., sendo uma combinação de dois medicamentos antiretrovirais usados para tratar o HIV1 (200 miligramas de emtricitabina e 300 mg de tenofovir disoproxil fumarato).

Antes que o Truvada seja prescrito, são necessárias avaliações de vários fatores, tais como sorologia negativa para o HIV1, sinais7 e sintomas8 gripais não podem estar presentes, já que podem indicar o início da infecção4 pelo HIV1, mesmo com testes negativos, dentre outros.

As preocupações de segurança ligadas ao Truvada incluem efeitos sobre ossos e rins9. As pessoas com história de doenças ósseas ou renais devem ser regularmente monitorizadas.

Recomenda-se que a pessoa seja testada para a hepatite10 B, porque o agravamento de infecções6 de hepatite10 B tem sido relatado naqueles que têm HIV1-1 e hepatite10 B, quando o tratamento com Truvada é interrompido.

Fonte: FDA

NEWS.MED.BR, 2012. FDA aprova o Truvada, primeiro medicamento para prevenção do HIV. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/309455/fda-aprova-o-truvada-primeiro-medicamento-para-prevencao-do-hiv.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.

Complementos

1 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
10 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!