Atalho: 61ZN1TW
Gostou do artigo? Compartilhe!

Primeiro caso de Febre Q é confirmado por técnica molecular no Rio de Janeiro

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), um estudo inédito confirmou, através de teste molecular, o primeiro caso de febre1 Q no Estado do Rio de Janeiro. A zoonose2 é pouco conhecida no continente americano, mas é motivo de preocupação em países europeus como França e Holanda.

Causada pela bactéria3 Coxiella burnettii, a febre1 Q é transmitida ao homem pela inalação de partículas contaminadas do ar ou pelo contato com o muco vaginal, leite, fezes, urina4 ou sêmen5 de gado, ovelhas, cabras e outros mamíferos domésticos, incluindo cães e gatos, quando infectados. Além de diagnosticar o paciente, que não teve sequelas6, os pesquisadores do IOC conseguiram identificar a origem e o ciclo de transmissão da doença. A infecção7 por C. burnettii pode permanecer assintomática no organismo e ser reativada em casos de gravidez8, hemodiálise9, presença de valvulopatia10, prótese11 valvar, aneurisma12 aórtico ou imunodeficiência13, causando manifestações clínicas graves como a endocardite14 e a pneumonia15.

O trabalho realizado pelo IOC confirmou o diagnóstico16 e comprovou a circulação17 da bactéria3 em uma pequena propriedade rural localizada na região metropolitana da capital. A pesquisadora Elba Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC e orientadora do trabalho, ressalta que a falta de conhecimento e, consequentemente, a falta de diagnóstico16 são alguns dos desafios encontrados no Brasil. A pesquisadora alerta que “A bactéria3 C. burnettii apresenta uma resistência muito grande, por isso ela permanece no ambiente e há grande dificuldade em eliminá-la. A bactéria3 é encontrada principalmente em produtos de abortos e partos de animais, que com o tempo se transformam em partículas dispersas no ar que podem ser carreadas pelo vento em um raio de até dois quilômetros”.

Além de confirmar o diagnóstico16 da febre1 Q por análise molecular, está sendo realizada a análise sorológica e molecular de amostras biológicas de familiares contatantes do paciente, além de animais domésticos, cães e gatos, cabras e equinos existentes na propriedade.

No Brasil, a doença não é de notificação compulsória18 e não há preocupação com o diagnóstico16.

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz

Leia a notícia completa em: Primeiro caso da desconhecida Febre1 Q é confirmado por técnica molecular no Estado do Rio de Janeiro

 

NEWS.MED.BR, 2011. Primeiro caso de Febre Q é confirmado por técnica molecular no Rio de Janeiro. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/228350/primeiro-caso-de-febre-q-e-confirmado-por-tecnica-molecular-no-rio-de-janeiro.htm>. Acesso em: 28 nov. 2021.

Complementos

1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Zoonose: 1. Doença que se manifesta sobretudo em animais. 2. Doença que pode ser transmitida aos seres humanos pelos animais, como, por exemplo, a raiva e a toxoplasmose. Certas zoonoses podem ser transmitidas ao animal pelo homem.
3 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
4 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
5 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
6 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
9 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
10 Valvulopatia: Doença adquirida ou congênita de uma válvula cardíaca. A alteração resultante pode ser manifestada por uma diminuição da abertura da mesma (estenose), pela incapacidade de fechamento da mesma (insuficiência) ou por uma combinação dos dois tipos de defeitos.
11 Prótese: Elemento artificial implantado para substituir a função de um órgão alterado. Existem próteses de quadril, de rótula, próteses dentárias, etc.
12 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
13 Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
14 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
15 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
18 Notificação compulsória: Doenças de Notificação Compulsória são aquelas que devem ser obrigatoriamente notificadas quando identificadas em uma pessoa, ou seja, elas são comunicadas às secretarias de saúde, para que se possa ter controle e evitar o aumento dos casos. Algumas doenças de Notificação Compulsória são: AIDS, dengue, hepatites virais, rubéola, sarampo, febre Amarela, raiva, meningite e cólera.
Gostou do artigo? Compartilhe!