Gostou do artigo? Compartilhe!

A exposição a retardadores de chama comuns pode aumentar o risco de carcinoma papilífero da tireoide

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Alguns retardadores de chama1 usados ​​em muitos produtos de casa parecem estar associados ao tipo mais comum de câncer2 de tireoide3, o carcinoma4 papilífero (PTC), de acordo com um novo estudo que foi apresentado na 99ª reunião anual da Sociedade Endócrina, ENDO 2017, na Flórida, Estados Unidos.

Saiba mais sobre "Câncer2 da tireoide3", "Nódulos tireoidianos5" e "Cirurgia da tireoide3".

"O câncer2 de tireoide3 é o câncer2 de maior crescimento nos EUA, com a maior parte do aumento de casos novos sendo de carcinoma4 papilífero", disse a Dra. Julie Ann Sosa, professora de cirurgia e medicina da Duke University School of Medicine, na Carolina do Norte. "Estudos recentes sugerem que fatores ambientais podem, em parte, ser responsáveis ​​por esse aumento."

Muitos estudos em animais demonstraram que várias classes de retardadores de chama1 atuam como substâncias químicas perturbadoras do sistema endócrino6 e interferem com a homeostase (função) da tireoide3, em parte porque compartilham uma estrutura química similar com os hormônios tireoideanos, disse Sosa. Portanto, ela e seus colegas voltaram sua atenção para esses retardadores de chama1 para estudar uma possível relação com o PTC."

"Os resultados do nosso estudo sugerem que uma maior exposição a vários retardadores de chama1 no ambiente doméstico pode estar associada ao diagnóstico7 e à gravidade do carcinoma4 papilífero da tireoide3, explicando potencialmente parte do aumento observado na incidência8 de câncer2 de tireoide3", disse Sosa. "Este estudo é novo na medida em que coletamos e analisamos poeira doméstica dos indivíduos como uma medida de exposição a retardadores de chama1."

Níveis de retardadores de chamas na poeira doméstica correlacionam-se significativamente com exposições pessoais, ela explicou. Os pesquisadores coletaram amostras de poeira das casas de 140 indivíduos do estudo: 70 com PTC e 70 indivíduos sem evidência de doença tireoidiana ou câncer2 como indivíduos controle. Os controles foram combinados em características importantes, incluindo idade, sexo, raça/etnia, índice de massa corporal9, renda familiar e nível de escolaridade. Como todos os participantes haviam morado em suas casas por uma média de aproximadamente 11 anos, Sosa disse que os pesquisadores poderiam avaliar a exposição média a longo prazo a esses produtos químicos ambientais. Eles também coletaram amostras de sangue10 dos participantes para analisar biomarcadores de exposição a vários retardadores de chama1 na classe conhecida como éteres difenílicos polibromados (PBDEs).

O retardador de chama bromado é muitas vezes encontrado em invólucros de eletrônicos, estando presente em objetos comuns, como nas televisões. Estes produtos químicos se acumulam na poeira, podendo então facilmente achar seu caminho para dentro do organismo humano.

Assim como o PTC afeta mais mulheres do que homens, a maioria dos participantes do estudo (79%) eram mulheres, e sua idade média era de 48 anos. Os investigadores relataram que níveis mais elevados na poeira doméstica de dois retardadores de chama1 estavam associados a uma maior probabilidade de o residente ter PTC. Estes foram o decabromodifenil éter (BDE-209), o PBDE mais utilizado e, em menor grau, o tris (2-cloroetil) fosfato (TCEP), um retardante de chama de organofosfato. Os participantes cujos níveis de BDE-209 na poeira eram altos tinham mais de duas vezes mais chances de ter câncer2 de tireoide3 do que aqueles indivíduos com baixas concentrações de BDE-209.

Os participantes com níveis elevados de TCEP na poeira da casa tinham mais de quatro vezes mais chances de terem tumores maiores e mais agressivos que se estendiam além da tireoide3, de acordo com o estudo. Em contraste, os participantes com os maiores níveis de poeira de BDE-209 foram 14 vezes mais propensos a serem um paciente com PTC que não tinha uma mutação genética11 comum (BRAF V600E). Esta mutação12 tem sido associada ao PTC que tende a se comportar de forma mais agressiva. "Essa diferença", disse Sosa, "pede por mais interrogação".

Veja também sobre "Biópsia13 da tireoide3", "Cintilografia14 da tireoide3" e "Bócio15".

 

Fontes:
Endocrine Society, press release publicado em 01 de abril de 2017.
The Wall Street Journal, entrevista realizada em 10 de abril de 2017.

 

NEWS.MED.BR, 2017. A exposição a retardadores de chama comuns pode aumentar o risco de carcinoma papilífero da tireoide. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1294748/a-exposicao-a-retardadores-de-chama-comuns-pode-aumentar-o-risco-de-carcinoma-papilifero-da-tireoide.htm>. Acesso em: 13 dez. 2018.

Complementos

1 Retardadores de chama: Retardante de chama ou retardador de chama é uma substância química utilizada para retardar ou, se possível, eliminar a propagação de chamas em um material. Os aditivos anti-chama tornam o processo da propagação de calor entre os compostos muito mais lento. As substâncias químicas empregadas nesses aditivos têm alto calor especifico, ou seja, precisam de muito calor para aumentar sua temperatura e, por isso, ajudam a retardar ou impedem a combustão. Em nosso cotidiano, eles estão em quase tudo que nos cerca, desde fios até na espuma de travesseiros e colchões, passando por chips de computador, placas eletrônicas, televisores, micro-ondas, videogames, aspiradores de pó e outros eletrodomésticos, além de móveis e tecidos sintéticos.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
4 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
5 Nódulos tireoidianos: Nódulos da tireoide resultam em crescimentos anormais de células da tireoide, que formam protuberâncias dentro da glândula, normalmente visíveis sob a pele do pescoço.
6 Sistema Endócrino: Sistema de glândulas que liberam sua secreção (hormônios) diretamente no sistema circulatório. Em adição às GLÂNDULAS ENDÓCRINAS, o SISTEMA CROMAFIM e os SISTEMAS NEUROSSECRETORES estão inclusos.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
11 Mutação genética: É uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
12 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
13 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
14 Cintilografia: Procedimento que permite assinalar num tecido ou órgão interno a presença de um radiofármaco e acompanhar seu percurso graças à emissão de radiações gama que fazem aparecer na tela uma série de pontos brilhantes (cintilação); também chamada de cintigrafia ou gamagrafia.
15 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
Gostou do artigo? Compartilhe!