Gostou do artigo? Compartilhe!

Número de filhos está surgindo como fator de risco cardiovascular para ambos os pais, publicado pelo Circulation

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova pesquisa publicada na revista Circulation mostra que gravidezes múltiplas aumentam o risco de uma mulher desenvolver fibrilação atrial (FA) mais tarde na vida. Os autores descrevem um aumento linear na FA com o número crescente de filhos, segundo a professora Regitz-Zagrosek. Ela diz que alguma explicação pode ser dada por fatores biológicos e socioculturais.

Um estudo de 0,5 milhão de chineses encontrou uma relação estatisticamente significativa em forma de J entre o número de filhos e o risco de doença cardíaca coronariana e acidente vascular cerebral1. Isto significa que o risco diminui com uma criança e depois aumenta com duas ou mais crianças. No presente estudo sobre a FA, uma relação em forma de J não foi estatisticamente significativa, mas isso pode ser porque tinha cerca de 34.000 mulheres participantes e isto é uma população relativamente pequena em comparação com o estudo chinês.

Saiba mais sobre "Infarto do Miocárdio2", "Acidente Vascular Cerebral1" e "Fibrilação atrial".

"O mais impressionante foi que o estudo chinês mostrou a mesma associação para mulheres e homens", disse a professora Regitz-Zagrosek. "Em outro estudo, foi demonstrada a mesma associação em forma de J entre o número de crianças e o risco de diabetes3 em mulheres e homens. (...) Os autores acreditam que os fatores socioeconômicos são a explicação", ela continuou. "Ter um filho é um fator de proteção porque os pais têm apoio social em idade avançada. Mas se eles têm um grande número de filhos, esse benefício desaparece porque aumenta a pressão econômica e social sobre os pais".

O número de crianças deve ser considerado um fator novo que pode influenciar o risco para algumas doenças cardiovasculares4 para mulheres e homens e deve ser incluído em bases de dados de pesquisa para ser investigado como um indicador de saúde5, acrescenta a professora Regitz-Zagrosek. Além disso, pesquisas adicionais devem investigar mecanismos biológicos e socioeconômicos para explicar a relação entre o número de crianças e o risco cardiovascular.

"Há evidências de que a gravidez6 leva a alterações que modificam a reação do corpo aos estressores7 cardiovasculares adicionais e isso pode acontecer por mecanismos epigenéticos", disse ela. Mas os achados em homens chineses favorecem a explicação socioeconômica.

Veja também: "Teste de gravidez6: estou grávida ou não?" e "Sintomas8 Precoces de Gravidez6".

 

Fonte: European Society of Cardiology Press Release, de 3 de fevereiro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Número de filhos está surgindo como fator de risco cardiovascular para ambos os pais, publicado pelo Circulation. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1288023/numero-de-filhos-esta-surgindo-como-fator-de-risco-cardiovascular-para-ambos-os-pais-publicado-pelo-circulation.htm>. Acesso em: 22 out. 2019.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Estressores: Que ou o que provoca ou conduz ao estresse.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!