Gostou do artigo? Compartilhe!

Crianças e adolescentes e as mídias digitais: o que dizem os especialistas da Academia Americana de Pediatria (AAP) e do governo americano

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

"Dezoito meses é a idade em que, cognitivamente e de forma sábia e atenta, as crianças estão prontas para começarem a se expor às mídias digitais", diz Jenny Radesky, pediatra e especialista em desenvolvimento e comportamento infantis no CS Mott Children's Hospital, em Ann Arbor, Michigan, e co-autora da diretriz da AAP.

Isso não significa que os pais precisem começar a expor as crianças dessa idade a mídias digitais. O trabalho foi apresentado na Conferência Nacional da Academia Americana de Pediatria (AAP) e publicado online pela revista Pediatrics. Um dos autores do resumo da política do governo, Libby Doggett, PhD do Departamento de Educação dos Estados Unidos, também estava na apresentação.

Os benefícios identificados a partir do uso da mídia digital e social incluem a aprendizagem precoce, a exposição a novas ideias e conhecimentos, aumento das oportunidades de contato social e novas oportunidades de acesso a mensagens de promoção da saúde1 e de informação. Os riscos de tais meios incluem efeitos negativos sobre o sono, atenção e aprendizagem, uma maior incidência2 de obesidade3 e depressão, exposição a conteúdos imprecisos, inadequados ou inseguros e a contatos inseguros e comprometimento da privacidade e confidencialidade.

Assim como no passado, a AAP desencoraja o uso dos meios eletrônicos por crianças menores de dois anos de idade. Mas tanto a orientação da AAP, quanto o resumo publicado pelo governo americano fazem exceções para conversas com uso de vídeo entre crianças com idade inferior a 18 meses e entes queridos por elas. Por exemplo, pais em missões militares no exterior podem se conectar com seus bebês4 através do Skype. As recomendações do governo fazem mais uma exceção para crianças com deficiência que precisam da tecnologia para se comunicar.

As crianças podem começar a aprender com a mídia digital a partir de cerca de 18 meses, mas aquelas menores de 2 anos não devem ser deixadas sozinhas com os dispositivos de mídia, recomendam a AAP e o governo.

Ambos os documentos recomendam que crianças de dois anos de idade até à idade escolar podem ser expostos a não mais de uma hora de programação de alta qualidade por dia. Segundo a AAP, constitui uma programação de alta qualidade programas tais como o Sesame Workshop, que já conta com pesquisa mostrando os benefícios educacionais e comportamentais do programa de televisão infantil Vila Sésamo.

Os cuidadores devem modelar bem o uso da mídia digital em suas residências, estarem cientes dos limites, usarem a mídia junto com seus filhos e discutirem o conteúdo a que seus filhos estão expostos. Dessa forma, a tecnologia pode oferecer oportunidades atraentes e concretas para a educação infantil.

Ambos os documentos recomendam uma mudança do esforço tradicional de restringir o tempo de tela para esculpir o tempo livre de tela, começando na idade escolar. As crianças precisam de pelo menos uma hora de exercício diário, uma noite completa de sono e algum tempo offline, especialmente durante as refeições da família, dizem os especialistas. Os pais devem certificar-se de que as crianças estão desconectadas, pelo menos, duas horas por dia.

Leia também sobre "Brincadeiras que estimulam o cérebro5 do seu filho" e "Autismo".

 

Fonte: American Academy of Pediatrics (AAP) National Conference, apresentado no dia 21 de outubro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Crianças e adolescentes e as mídias digitais: o que dizem os especialistas da Academia Americana de Pediatria (AAP) e do governo americano. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1279368/criancas-e-adolescentes-e-as-midias-digitais-o-que-dizem-os-especialistas-da-academia-americana-de-pediatria-aap-e-do-governo-americano.htm>. Acesso em: 19 nov. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!