Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: Dupilumab subcutâneo ajuda pacientes com sinusite crônica e polipose nasal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O Dupilumab já demonstrou sua eficácia em doentes com asma1 e dermatite2 atópica, duas doenças mediadas por células3 T helper tipo 2.

Um ensaio clínico randomizado4, duplo-cego, controlado por placebo5, foi realizado em 13 locais nos Estados Unidos e na Europa, entre agosto de 2013 e agosto 2014, com o objetivo de avaliar a inibição das interleucinas 4 e 13 com o Dupilumab em pacientes com sinusite6 crônica e polipose nasal.

Participaram do estudo 60 adultos com sinusite6 crônica e polipose nasal refratária ao uso intranasal de corticosteroides, com 16 semanas de acompanhamento. A idade média foi de 48,4 anos. Cinquenta e um participantes completaram o estudo. As intervenções foram o uso de Dupilumab subcutâneo7 (uma dose de 600 mg seguida por 300 mg por semana, n=30) ou placebo5 (n=30) mais furoato de mometasona por pulverização nasal durante 16 semanas. O principal resultado foi a mudança no score da polipose nasal por via endoscópica na 16ª semana.

As conclusões mostraram que entre adultos com sinusite6 crônica sintomática8 e polipose nasal refratária ao uso intranasal de corticosteroides, a adição de Dupilumab subcutâneo7 ao spray nasal de furoato de mometasona em comparação com a mometasona isoladamente, reduziu a polipose nasal endoscópica após 16 semanas. Mais estudos são necessários para avaliar uma duração mais longa do tratamento, maiores amostragens e comparações diretas com outros medicamentos.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 315, número 5, de 2 de fevereiro de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. JAMA: Dupilumab subcutâneo ajuda pacientes com sinusite crônica e polipose nasal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/818004/jama-dupilumab-subcutaneo-ajuda-pacientes-com-sinusite-cronica-e-polipose-nasal.htm>. Acesso em: 14 out. 2019.

Complementos

1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
2 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
7 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
8 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!