Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: uso de anti-hipertensivos e risco de quedas graves em idosos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O efeito de lesões1 graves, tais como as fraturas de quadril e traumatismos cranianos, na mortalidade2 e na funcionalidade é comparável ao efeito de eventos cardiovasculares. Preocupações têm sido levantadas sobre o risco de lesões1 por quedas graves em idosos que fazem uso de medicamentos anti-hipertensivos. O baixo risco de lesões1 graves decorrentes de quedas relatado em ensaios clínicos3 com idosos saudáveis pode não refletir o risco em idosos com múltiplas condições crônicas de saúde4.

Com o objetivo de determinar se o uso de anti-hipertensivos está associado a lesões1 graves decorrentes de quedas foi feita uma análise, em uma amostra nacionalmente representativa de idosos, em um estudo com seguimento de três anos. Entre os participantes estavam 4.961 adultos com mais de 70 anos com hipertensão arterial5.

A intensidade de exposição à medicação anti-hipertensiva foi com base na dose diária padronizada para cada classe de medicação anti-hipertensiva que os participantes usavam.

Os principais resultados foram lesões1 graves decorrentes de quedas, incluindo fraturas de quadril e outras fraturas maiores, lesões1 cerebrais traumáticas e luxações, apurados por meio de serviços do Centers for Medicare & Medicaid Services.

Dos 4.961 participantes, 14,1% não receberam medicamentos anti-hipertensivos, 54,6% estavam na intensidade moderada e 31,3% nos grupos anti-hipertensivos de alta intensidade. Durante o acompanhamento, 446 participantes (9,0%) apresentaram lesões1 graves decorrentes de queda e 837 (16,9%) morreram. As taxas de risco ajustado para lesão6 grave decorrente de queda foram 1,40 (IC 95%: 1,03-1,90) na intensidade moderada e 1,28 (IC 95%: 0,91-1,80) nos grupos anti-hipertensivos de alta intensidade em comparação com os não usuários desses medicamentos. Embora a diferença de taxas de risco ajustado entre os grupos não tenha atingido significância estatística, os resultados foram semelhantes na subcoorte pareada por escore de propensão. Entre 503 participantes com uma lesão6 anterior, as taxas de risco ajustados foram de 2,17 (IC 95%: 0,98-4,80) para a intensidade moderada e 2,31 (IC 95%: 1,01-5,29) para os grupos anti-hipertensivos de alta intensidade.

Concluiu-se que os medicamentos anti-hipertensivos estão associados a um risco aumentado de lesões1 graves provenientes de quedas, principalmente entre aqueles idosos com lesões1 por quedas anteriores. Os danos potenciais versus os benefícios de uso de medicamentos anti-hipertensivos devem ser ponderados na decisão de continuar o tratamento com estas medicações em idosos com múltiplas condições crônicas.

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação online de 24 de fevereiro de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. JAMA: uso de anti-hipertensivos e risco de quedas graves em idosos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/525449/jama-uso-de-anti-hipertensivos-e-risco-de-quedas-graves-em-idosos.htm>. Acesso em: 21 jan. 2022.

Complementos

1 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
6 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
Gostou do artigo? Compartilhe!