Atalho: 6YWS225
Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA adverte grávidas a não usarem valproato para prevenção da enxaqueca durante a gestação pelo risco de reduzir QI dos bebês

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O Food and Drug Administration (FDA) está alertando os profissionais de saúde1 e as gestantes sobre o risco do uso de medicamentos contendo valproato de sódio durante a gestação. Estes medicamentos podem causar diminuição das pontuações de QI2 em crianças cujas mães tomaram a medicação durante a gravidez3. Portanto, essas drogas são contraindicadas (nunca devem ser usadas) em grávidas para a prevenção de enxaquecas4. Produtos que contêm valproato incluem o valproato de sódio, o divalproato de sódio e o ácido valproico.

As indicações conhecidas para estes medicamentos incluem a prevenção de enxaquecas4, o tratamento da epilepsia5 (convulsões) e o tratamento de episódios maníacos associados ao transtorno bipolar (doença maníaco-depressiva).

Além do risco de redução do QI2, já é sabido que essas medicações podem causar defeitos congênitos6.

"Medicamentos com valproato nunca devem ser usados em grávidas para a prevenção de enxaquecas4 porque agora temos ainda mais dados que mostram que os riscos para as crianças superam quaisquer benefícios de tratamento", disse Russell Katz, diretor da Division of Neurology Products do FDA’s Center for Drug Evaluation and Research. Para os seus outros usos aprovados - transtorno bipolar e convulsões - o valproato pode ter algum valor para as gestantes, mas só deve ser tomado se outros medicamentos não controlam os sintomas7. As mulheres que possam vir a engravidar não devem usar o valproato a menos que seja essencial para a gestão da sua condição de saúde1 e todas aquelas em idade fértil que precisem tomar produtos com valproato devem usar um método contraceptivo eficaz.

Grávidas que estão em uso desta medicação devem conversar com seu profissional de saúde1 imediatamente. As mulheres não devem parar de tomar a medicação sem o conhecimento de seu médico, pois a interrupção abrupta do tratamento pode causar problemas de saúde1 sérios e potencialmente fatais para a mulher ou para o feto8 em desenvolvimento.

Desconhece-se se existe certo período de tempo, durante a gravidez3, quando a exposição ao valproato pode resultar na diminuição do QI2. As mulheres no estudo Neurodevelopmental Effects of Antiepileptic Drugs (NEAD), o qual apoia as novas orientações, foram expostas a drogas antiepilépticas durante a gravidez3. A diferença na média de QI2 entre as crianças que haviam sido expostas ao valproato e as crianças que haviam sido expostas a outras drogas antiepilépticas variou entre 8 e 11 pontos, dependendo da droga antiepiléptica utilizada.

Fonte: FDA News Release, de 6 de maio de 2013

 

NEWS.MED.BR, 2013. FDA adverte grávidas a não usarem valproato para prevenção da enxaqueca durante a gestação pelo risco de reduzir QI dos bebês. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/352624/fda-adverte-gravidas-a-nao-usarem-valproato-para-prevencao-da-enxaqueca-durante-a-gestacao-pelo-risco-de-reduzir-qi-dos-bebes.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
5 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
6 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
Gostou do artigo? Compartilhe!