Atalho: 6GYKU1C
Gostou do artigo? Compartilhe!

Azitromicina pode aumentar o risco de morte cardiovascular, segundo publicação do NEJM

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Embora se saiba que alguns antibióticos macrolídeos são pró-arrítmicos e associados a um risco aumentado de morte cardíaca súbita, a azitromicina é considerada até o momento como uma medicação com cardiotoxicidade mínima. No entanto, os relatórios de arritmias1 publicados sugerem que a azitromicina pode aumentar o risco de morte cardiovascular.

Estudo de coorte2, publicado pelo New England Journal of Medicine (NEJM), comparou grupos de pacientes recebendo ou não antibióticos para avaliar o risco de morte cardiovascular com o uso em curto prazo de medicamentos com efeitos cardíacos. Foram excluídos pacientes com doenças graves não cardíacas e indivíduos hospitalizados ou logo após uma hospitalização. Os grupos avaliados foram de:

- Pacientes em uso de azitromicina (347.795 prescrições).

- Pessoas que não estavam usando antibióticos (1.391.180 no grupo controle).

- Pacientes que receberam amoxicilina (1.348.672 prescrições).

- Pessoas em uso de ciprofloxacina (264.626 prescrições).

- Indivíduos fazendo uso de levofloxacina (193.906 prescrições).

Durante cinco dias de terapia com azitromicina, quando comparados com aqueles que não tomaram antibióticos, os pacientes apresentaram um risco aumentado de morte cardiovascular e de morte por qualquer causa. Pacientes que tomaram amoxicilina não tiveram aumento no risco de morte durante o período. Em relação à amoxicilina, a azitromicina foi associada a um risco aumentado de morte cardiovascular e de morte por qualquer causa. O risco de morte cardiovascular foi significativamente maior com a azitromicina do que com o ciprofloxacino, mas não diferiram significativamente daquele com a levofloxacina.

Concluiu-se que durante os cinco dias de terapia com azitromicina, houve um pequeno aumento absoluto de mortes cardiovasculares. Isto foi mais pronunciado para aqueles pacientes com um risco mais elevado para doença cardiovascular.

Fonte: NEJM, de 17 de maio de 2012

 

NEWS.MED.BR, 2012. Azitromicina pode aumentar o risco de morte cardiovascular, segundo publicação do NEJM. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/301105/azitromicina-pode-aumentar-o-risco-de-morte-cardiovascular-segundo-publicacao-do-nejm.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

Complementos

1 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!