Atalho: 5STK14V
Gostou do artigo? Compartilhe!

Multaq®: novo medicamento reduz em 24% as hospitalizações e mortes por fibrilação atrial

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo ATHENA, apresentado na 29° Reunião Científica Anual da Heart Rhythm Society, em São Francisco, mostrou que o novo medicamento Multaq® (dronedarone), uma terapia potencial para tratamento de pacientes com fibrilação atrial da Sanofi-Aventis, reduz em 24% o risco de hospitalizações de origem cardiovascular ou de óbitos em pacientes com fibrilação atrial.


Pela primeira vez, em vinte anos de pesquisa sobre a fibrilação atrial, um medicamento em desenvolvimento clínico apresentou uma redução significativa no risco de óbito1 cardiovascular de 30% em complemento a tratamentos convencionais (incluindo tratamentos para controle da freqüência e medicamentos antitrombóticos) em pacientes com fibrilação atrial. Multaq® (dronedarone) também reduziu de maneira significativa o risco de óbito1 por arritmia2 em 45% e no número de óbitos (16%), decorrentes de qualquer causa, no grupo tratado com dronedarona em comparação com o placebo3. A primeira hospitalização de origem cardiovascular foi reduzida em 25% no grupo tratado com esta medicação.


Os efeitos colaterais4 mais freqüentemente relatados foram eventos gastrointestinais (26% versus 22% com placebo3), alterações na pele5 (10% versus 8%, principalmente rash6 cutâneo7) e diminuição dos níveis de creatinina8 (4.7% versus 1%). O mecanismo de redução da creatinina8 age por uma inibição da secreção de creatinina8 nos túbulos renais, que ficou bem documentada no estudo. Em comparação com o placebo3, o Multaq® mostrou um baixo risco de pró-arritmia2 e não houve excesso de hospitalizações devido à insuficiência cardíaca congestiva9.


Este foi o maior estudo duplo-cego10 randomizado11 realizado em 4.628 pacientes com fibrilação atrial, conduzido em mais de 550 centros de pesquisa. O ATHENA é o primeiro estudo de morbidade12-mortalidade13 e o mais importante de um programa de desenvolvimento clínico de fase III do Multaq® , que também incluiu outros cinco estudos clínicos internacionais.


O laboratório Sanofi-Aventis planeja submeter o registro do medicamento à European Medicines Agency (EMEA) e uma nova aplicação do medicamento ao Food and Drug Administration (FDA) no terceiro trimestre de 2008.


Fonte: Heart Rhythm Society

NEWS.MED.BR, 2008. Multaq®: novo medicamento reduz em 24% as hospitalizações e mortes por fibrilação atrial. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/17945/multaq-novo-medicamento-reduz-em-24-as-hospitalizacoes-e-mortes-por-fibrilacao-atrial.htm>. Acesso em: 27 out. 2021.

Complementos

1 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
2 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
7 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
8 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
9 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
10 Estudo duplo-cego: Denominamos um estudo clínico “duplo cego” quando tanto voluntários quanto pesquisadores desconhecem a qual grupo de tratamento do estudo os voluntários foram designados. Denominamos um estudo clínico de “simples cego” quando apenas os voluntários desconhecem o grupo ao qual pertencem no estudo.
11 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
12 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
13 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!