Gostou do artigo? Compartilhe!

Rótulo da ampola de adrenalina pode levar a erros de prescrição da dose desta medicação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Novo estudo da Universidade de Cambridge revela que médicos que atendem pacientes em situações de emergência1 médica, como crises alérgicas, podem prescrever adrenalina2 na dose incorreta, pois o rótulo do medicamento pode levar à confusão da dose a ser prescrita.

 

A adrenalina2 é acondicionada em ampolas de vidro, abertas quando a medicação é necessária. A quantidade de adrenalina2 presente em cada ampola é geralmente expressa tanto em dose (1 miligrama do medicamento para cada mililitro de solução injetável – 1 mg/1ml) quanto em proporção (uma parte da medicação para cada 1000 partes da solução injetável - adrenalina2 na concentração de 1/1000).

 

Para determinar se o rótulo das ampolas de adrenalina2 poderia ser a causa dos erros, os pesquisadores simularam a situação com manequins médicos “sofrendo” uma reação alérgica3. Distribuíram ampolas de adrenalina2 aos médicos e solicitaram a eles que tratassem esta emergência1 médica. A simulação foi realizada no Simulation Centre at Addenbrooke's Hospital. Metade dos médicos recebeu ampolas com rótulos que continham apenas a dose de adrenalina2. A outra metade recebeu rótulos contendo a concentração de adrenalina2 expressa em proporção. Depois mediram a quantidade de adrenalina2 administrada aos pacientes e o tempo que levou para que a prescrição fosse finalizada.

 

O Dr. Daniel Wheeler e colaboradores da Universidade de Cambridge concluíram que são necessários cálculos extras para saber qual a dose de adrenalina2 a ser usada em pacientes em situações de emergência1 quando a quantidade de adrenalina2 é expressa em proporção, o que pode levar a erros e atrasos de prescrição, os quais são comuns na administração deste medicamento.

 

Dois médicos dos catorze que receberam ampolas com etiquetas que continham a quantidade de adrenalina2 expressa em proporção prescreveram e administraram doses excessivas de adrenalina2 aos manequins. Os médicos que receberam as ampolas com a proporção também gastaram cerca de 1,5 minutos a mais para terminarem suas prescrições.

 

Os resultados seriam diferentes se os médicos estivessem tratando seres humanos reais. Na realidade, os rótulos apresentam tanto a dose quanto a proporção, e não um ou outro. Entretanto, o estudo mostra um problema que existe e a simplicidade da solução. Segundo o Dr. Wheeler, se nas etiquetas viesse apenas a quantidade da medicação em dose, isso aumentaria a segurança dos pacientes e facilitaria a prescrição médica.

 

Fonte: University of Cambridge

NEWS.MED.BR, 2008. Rótulo da ampola de adrenalina pode levar a erros de prescrição da dose desta medicação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/12407/rotulo-da-ampola-de-adrenalina-pode-levar-a-erros-de-prescricao-da-dose-desta-medicacao.htm>. Acesso em: 26 out. 2020.

Complementos

1 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
2 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
3 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
Gostou do artigo? Compartilhe!